Presidente eleito da Colômbia inicia transição com Uribe

O presidente eleito da Colômbia, Juan Manuel Santos, iniciou nesta segunda-feira a coordenação com o atual governo para garantir a continuidade da luta contra a guerrilha e das medidas econômicas, junto à sua oferta de melhorar as relações com seus vizinhos.

LUIS JAIME ACOSTA, REUTERS

21 de junho de 2010 | 19h14

Depois de obter 69 por cento dos votos no segundo turno, no domingo, o ex-ministro da Defesa se reuniu com o presidente Álvaro Uribe, seu maior aliado político, e conversou com dirigentes partidários que apoiaram sua candidatura, reiterando sua promessa de formar um gabinete multipartidário.

"O que se previa como uma reunião protocolar, de cumprimento do presidente eleito ao presidente Álvaro Uribe, se converteu em uma frutífera reunião de trabalho, a primeira de ligação direta", disse a jornalistas o porta-voz presidencial César Mauricio Velásquez.

"Os temas fundamentais desse encontro foram de caráter econômico, em boa parte da reunião esteve o ministro da Fazenda, e também foram tratados temas da Justiça, temas que têm a ver com o projeto que o governo apresentará sobre a reforma da Justiça."

A confirmação da vitória de Santos, que já era esperada, foi bem recebida por investidores estrangeiros, e fez com que o peso colombiano se valorizasse nesta segunda-feira.

Fontes próximas ao presidente eleito disseram que ele conversou por telefone com dirigentes dos partidos Conservador, Cambio Radical e Liberal, e também com lideranças empresariais.

Essas fontes disseram que Santos deve nomear rapidamente sua equipe ministerial para fazer a transição com Uribe.

"Eu diria que a única organização política que vai ficar de fora é o Polo Democrático, de resto vejo todo mundo entrando, pelo menos nesta primeira etapa", disse o analista político Jaime Castro.

Segundo ele, até mesmo o Partido Verde, do candidato derrotado Antanas Mockus, pode ter espaço no governo de Santos, já que o próprio Mockus prometeu manter seu partido como independente.

Depois de inúmeros atritos com Santos antes e durante a campanha, o governo socialista da Venezuela enviou nesta segunda-feira saudações ao presidente eleito.

"O Governo Bolivariano transmite sua felicitação pela vitória obtida pelo senhor Juan Manuel Santos, presidente eleito, a quem lhe deseja êxitos no exercício da sua nova responsabilidade", disse nota do Ministério das Relações Exteriores de Caracas.

Dono de 9 milhões de votos --maior votação na história da Colômbia-- Santos chega ao poder com ampla base parlamentar, o que lhe garante uma governabilidade tranquila e a possibilidade de promover reformas decisivas.

Tudo o que sabemos sobre:
COLOMBIAELEICOESSANTOS*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.