Presidente eleito do Paraguai anuncia composição de novo governo

O presidente eleito do Paraguai,Fernando Lugo, disse na sexta-feira, quando anunciou acomposição de um gabinete de governo formado majoritariamentepor políticos, que a analista Milda Rivarola será a futuraministra das Relações Exteriores do país. Lugo, um ex-bispo católico que deve tomar posse no dia 15de agosto, nomeou ainda o advogado e senador eleito RafaelFilizzola para comandar a pasta do Interior e a médicaEsperanza Martínez para o Ministério da Saúde Pública. Os três pertencem a partidos ou movimentossocial-democratas que integram a Aliança Patriótica para aMudança (APC), a coalizão centro-esquerdista pela qual Lugoelegeu-se, no dia 20 de abril, colocando fim a mais de seisdécadas de controle do governo pelo Partido Colorado, umalegenda conservadora. Rivarola, 52, formou-se em agronomia e ciências sociais emAssunção e fez pós-graduação em história na França, de ondeliderou um grupo de intelectuais paraguaios que lutou pelaabertura democrática em plena ditadura do general AlfredoStroessner. "Eu nunca quis fazer parte do aparato estatal. Para os quevêm do mundo acadêmico ou do setor privado, tomar essa decisãoé algo difícil. Mas não pude tirar o meu da reta em um momentotão emblemático para o Paraguai", afirmou a analista depolítica à rádio Primero de Marzo. "Neste momento, contamos com a boa vontade e a cooperaçãoda parte de muitos países. Há vários elementos positivospermitindo que cumpramos nossa missão de forma adequada econsigamos recuperar a imagem que temos diante do mundo",acrescentou Rivarola, referindo-se à fama do Paraguai de ser umpaís corrupto. Três políticos do Partido Liberal -- segunda maior forçapolítica do país -- farão parte do gabinete ministerial: BlasLlano (Justiça e Trabalho), Cándido Vera (Agricultura ePecuária) e Efraín Alegra (Obras Públicas e Comunicações). "Esses ministros serão os agentes da mudança que oscidadãos tanto desejam", afirmou Lugo, em uma entrevistacoletiva. Entre os demais ministros do futuro governo, contam-se oeconomista Dioniosio Borda (Fazenda), Martín Heisecke(Indústria e Comércio) e Luis Bareiro Spaini (Defesa). "A composição do gabinete reflete essa pluralidade querepresenta a aliança e agora temos o compromisso de honrartodas as expectativas surgidas desde a vitória de FernandoLugo", afirmou Filizzola a jornalistas. Alguns políticos da oposição afirmaram que os nomesescolhidos por Lugo não possuem experiência. "Parece-me que o Ministério das Obras Públicas eComunicações, por exemplo, deveria ser comandado por alguém comconhecimento técnico", afirmou o deputado Carlos María Soler,do partido centro-direitista Pátria Querida. Ao lado de sua futura chanceler, Lugo viaja no sábado paraa Bolívia e logo depois visita o Equador e a Venezuela, ficandolonge do Paraguai até quinta-feira. (Reportagem de Mariel Cristaldo)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.