Presidente equatoriano recebe Constituição e denuncia boicote

O presidente do Equador,Rafael Correa, recebeu na sexta-feira o texto constitucionalque será submetido a referendo, o qual ele disse haver "milrazões" para aprovar. Na sessão de encerramento da Assembléia Constituinte quetrabalhou por oito meses, Correa disse que a oposição querboicotar a nova Constituição, que amplia os poderes dopresidente, autoriza sua reeleição e introduz várias medidas deviés socialista. O texto de 444 artigos foi aprovado por 94 dos 126constituintes presentes na sessão de quinta-feira. "A oposição nunca veio trabalhar na solução dos problemas,vieram boicotar este trabalho e usaram covardemente o nome deDeus, da vida, e aí continuam as viúvas da partidocracia paraconfundir o povo equatoriano", afirmou Correa. Ele admitiu que há na proposta "barbaridades que devem serretificadas", mas defendeu a aprovação no referendo de 28 desetembro. "Ninguém desconhece que passaram erros, mas cada artigo foirealizado com transparência. Aqui não há textos ocultos",acrescentou Correa no evento, marcado pela ausência da oposiçãoe por gritos em favor do presidente. Durante o processo, a oposição acusou os governistas deestarem incluindo no texto artigos que não haviam sidoaprovados em plenário. "É o mesmo de sempre, porque votamos uma Constituição quenem sequer conhecemos, não há um novo país", disse à ReutersPablo Lucio Paredes, do movimento oposicionista Futuro Já. Outros grupos se somaram às denúncias, mas sem especificarquais artigos teriam sido fraudados. A Constituinte havia decretado feriado para que a populaçãopudesse acompanhar o último dia de funcionamento da assembléia. Pesquisas feitas neste mês deram 32 por cento de apoio ao"sim", com tendência de alta, o que torna bastante provável quea Constituição seja referendada.

ALEXANDRA VALENCIA, REUTERS

25 de julho de 2008 | 18h40

Tudo o que sabemos sobre:
EQUADORCONSTITUICAO

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.