Presidente peruano aceita renúncia de ministério em meio a crise

O presidente peruano, Alan García, aceitou a renúncia de seu gabinete de ministros em meio a um escândalo de corrupção que envolve altos funcionários do setor energético, disse na sexta-feira o primeiro-ministro Jorge del Castillo. "O senhor presidente tomou a decisão de aceitar nossa demissão, do gabinete em conjunto, e recompor conforme a Constituição e a lei um novo Conselho de Ministros", afirmou Del Castillo em entrevista junto com o presidente peruano. Castillo, que era braço-direito de García no governo, é citado numa gravação relativa a uma suposta fraude em concorrência para concessões de exploração de petróleo. O escândalo já havia levado à demissão do ministro das Minas e Energia, Juan Valdivia, e de dois importantes funcionários públicos do setor energético do Peru, cuja economia é a que mais cresce na América Latina, em grande parte devido à ampliação da produção de petróleo. No domingo, um programa investigativo de TV divulgou as primeiras fitas do caso, nas quais Alberto Quimper, diretor da agência reguladora de energia Perupetro, conversava com o político governista Rómulo León a respeito de um suposto favorecimento da pequena empresa norueguesa Discover Petroleum numa licitação. A Discover, que estabeleceu parceria com a Petroperú, recebeu em setembro o direito de explorar cinco blocos de petróleo, mas posteriormente o governo suspendeu a licitação. (Reportagem de Marco Aquino)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.