Pablo La Rosa/Reuters
Pablo La Rosa/Reuters

Presidente uruguaio eleito dispensa residência oficial

Mujica continuará em seu 'casebre' na periferia de Montevidéu, onde planta flores e verduras

01 de dezembro de 2009 | 07h36

O ex-presidente uruguaio e candidato derrotado na eleição de domingo, Luiz Alberto Lacalle, usou a palavra "sucucho" - uma gíria que significa casebre - para definir a modesta casa onde mora o presidente eleito José "Pepe" Mujica. Ontem, Mujica confirmou que tornará sua chácara, na periferia de Montevidéu, onde planta flores e verduras, como a residência oficial nos próximos cinco anos.

Já na campanha, ele havia dito que não se mudaria para a residência oficial de Suárez e permaneceria em seu casebre. Com esse novo status, a chácara terá de ser toda cercada, já que a principal defesa da propriedade é uma porteira caindo aos pedaços.

"Vou ter de instalar eletricidade em um dos quartinhos para que o pessoal da segurança não precise ficar ali no escuro", disse o presidente eleito.

O Estado esteve na chácara de Mujica, onde o mato cresce sem grandes impedimentos e o lado externo da casa tem manchas de umidade.

Vários líderes uruguaios optaram por continuar residindo em sua casa, como o atual presidente, Tabaré Vázquez, que utiliza Suárez como escritório. "No Uruguai, é normal ver um ex-presidente caminhando na rua. Para os uruguaios, distanciar-se da sociedade é visto como algo de mau gosto", disse ao Estado o cientista político Adolfo Garce.

Tudo o que sabemos sobre:
Uruguai

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.