Presos 2 rebeldes das Farc que planejavam atentado em Bogotá

Autoridades colombianas informam que guerrilheiros possuíam dois quilos de explosivo e dois detonadores

Efe,

18 de abril de 2008 | 17h46

As autoridades colombianas capturaram dois guerrilheiros das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) que preparavam uma bomba para realizar um atentado em Bogotá, informaram nesta sexta-feira 18, fontes oficiais. O Departamento Administrativo de Segurança (DAS), serviço de inteligência estatal, declarou que Freddy Ortega, conhecido como "Miro", e Fabián Vergel, conhecido como "Juanete", foram membros da comissão pela frente 45 das Farc para cometer um atentado em Bogotá.   Veja também: Colômbia descobre base das Farc na fronteira com Equador 'Incursão das Farc no Equador será ação de guerra', diz Correa Por dentro das Farc  Entenda a crise  Histórico dos conflitos armados na região     "Em Usme, no sul da capital colombiana, foram capturados dois rebeldes das Farc que admitiram suas atividades de fabricação, tráfico, porte de armas, explosivos e rebelião", assinalou o DAS em comunicado. Os dois guerrilheiros possuíam dois quilos do explosivo de Anfo, dois detonadores e cordão detonante.   "O trabalho de inteligência técnica determinou que dois líderes da frente 45 mantinham contatos telefônicos, para fornecer dois rádios que faziam falta para armar a bomba que estava sendo preparada pelos dois", acrescentou o DAS.   Duas explosões, quase simultâneas, foram registradas por volta da meia-noite de quinta-feira, em setores da capital colombiana, sem causar vítimas mortais nem feridos, apenas alguns danos materiais.   Fontes policiais precisaram que os artefatos foram detonados nos bairros Arborizadora Baja, do populoso setor da Cidade Bolívar, no sudeste da cidade, e em Santa María del Lago, ao noroeste. As fontes não atribuíram essas explosões a nenhuma organização.

Tudo o que sabemos sobre:
FarcColômbia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.