Presos 36 argentinos que comemoravam aniversário de Hitler

Jovens do grupo 'Blood and Honour', de origem inglesa, faziam recital em clube em homenagem ao líder nazista

Efe,

22 de abril de 2009 | 18h41

A polícia da Argentina anunciou nesta quarta-feira, 22, a prisão de 36 jovens skinheads que festejavam o 120º aniversário do nascimento do líder nazista alemão Adolf Hitler na periferia de Buenos Aires. Eles foram detidos no domingo por soldados da Unidade de Investigação de Condutas Discriminatórias da Polícia Federal, que ainda apreenderam cruzes suásticas e outros símbolos nazistas.

 

Segundo a Delegação de Associações Israelitas Argentinas (Daia), as prisões foram possíveis "após uma prolongada e minuciosa investigação". De acordo com a entidade, a prisão dos nazistas aconteceu "no Clube Central Argentino, na cidade de San Martín, quando era feito um que se desenvolvia um recital organizado pela divisão argentina da organização 'Blood and Honour' (Sangue e Honra)", detalhou.

 

Este grupo "tem origem e sede no Reino Unido, conta com filiais em diversos países da Europa e da América e está dedicada a organizar recitais, reprodução de bibliografia, filmes e sites de difusão do nazismo", acrescentou a Daia. "Durante o procedimento policial se encontraram diversos elementos com simbologia e ideologia nazista, tais como bandeiras, filmes e músicas de conteúdo discriminatório e antissemita", acrescentou a entidade judia.

 

A Daia acrescentou que "nas últimas horas foi profanado com inscrições nazistas o cemitério judeu de Liniers (Buenos Aires), no mesmo padrão ideológico ainda que se desconheça se existe alguma vinculação com os que foram detidos". Na Argentina, onde reside a comunidade judaica mais numerosa da América Latina, em 1992 uma bomba destruiu a embaixada de Israel em Buenos Aires e, dois anos depois, foi reduzida a escombros a sede da Associação Mutual Israelita Argentina (Amia), atentados que, juntos, mataram 114 pessoas e feriram mais de 300.

Tudo o que sabemos sobre:
Argentinanazismo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.