Javier Galeano/AP
Javier Galeano/AP

Presos 6 opositores durante protesto em procissão em Havana

Cubanos pediam libertação de presos políticos durante celebração da Virgem da Caridade do Cobre

REUTERS

09 Setembro 2011 | 07h43

HAVANA - Pelo menos seis integrantes de um grupo oposicionista pouco conhecido foram detidas na quinta-feira, 8, ao gritar slogans antigovernamentais durante a tradicional procissão da Virgem da Caridade do Cobre, considerada a padroeira de Cuba.

Enquanto milhares de cubanos percorriam várias ruas de Havana coma imagem da Virgem a polícia reprimiu dissidentes que levavam cartazes com a inscrição "liberdade" e gritavam "libertem os presos políticos".

A polícia prendeu os manifestantes e os retirou da procissão algemados, enquanto os fiéis continuavam com os cânticos religiosos.

O incidente foi o último de uma série de pequenos protestos em Havana que chamaram a atenção de grupos opositores do regime cubano no exterior, segundo os quais as manifestações refletem o crescente descontentamento popular.

As procissões foram proibidas em Cuba depois da revolução, em 1959, mas retomadas após a visita do papa João Paulo II ao país, em 1998.

As prisões chamaram a atenção das pessoas que participavam da procissão ou passavam pelo local. Algumas criticaram os dissidentes por interferirem com um ato religioso e outras condenaram a ação policial, mas nenhuma delas se uniu aos protestos.

"Abaixo Fidel", disse um dos espectadores, referindo-se ao ex-líder cubano Fidel Castro.

"O povo cubano é filho de Nossa Senhora da Caridade e nós não vamos permitir que essas pessoas sejam desrespeitosas", afirmou uma outra cubana, Maria González, que usava uma camiseta na cor amarela, símbolo da Virgem da Caridade.

Mais conteúdo sobre:
CUBA PROTESTOS PRISOES*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.