Primeiro casamento gay na Argentina será entre aposentado e divorciado

Casal que está junto há quase 30 anos contrairá união civil na sexta; mais três casais se casam no sábado

Efe,

29 de julho de 2010 | 19h27

BUENOS AIRES- Um aposentado de 65 anos e seu companheiro, um homem divorciado de 54 anos, se transformarão nesta sexta-feira, 30, após quase três décadas de relação, no primeiro casal casado de pessoas do mesmo sexo na Argentina após a reforma legal recentemente aprovada.

 

Miguel Ángel Calefato, aposentado, e José Luis Navarro, arquiteto divorciado, selarão amanhã 27 anos de relação no registro civil da pequena localidade de Frías, na província argentina de Santiago del Estero, na qual residem há seis anos.

 

"Estamos muito felizes, mas para nós isto é quase um trâmite, porque não nos muda como pessoas nem o que sentimos um pelo outro, simplesmente nos dá um marco legal para ter os mesmos direitos que tem qualquer cidadão argentino", explicou Navarro à Efe.

 

Ele adiantou que vai ser um ato "muito simples", e que posteriormente festejarão o casamento com um almoço familiar na casa na qual ambos vivem, para continuar depois com seus afazeres cotidianos.

 

O casal se conheceu há 27 anos em Mar del Plata, quando José Luis estava casado e Miguel Ángel mantinha uma relação com outro homem.

 

"Ambos tínhamos outros parceiros, mas notamos que o nosso sentimento era muito forte, que éramos feitos um para o outro", lembra Navarro, quem alguns meses depois se divorciou de sua mulher e foi a viver com Calefato, primeiro em Buenos Aires, cidade natal de seu futuro marido, e depois em Santiago del Estero.

 

No sábado outros três casais de homens, um deles formado por dois cidadãos chilenos que residem no país há 14 anos, contrairão casamento em diferentes províncias da Argentina, depois da sanção da reforma do Código Civil que permite a união civil entre pessoas do mesmo sexo.

 

Antes da promulgação da reforma legal, nove pessoas tinham se casado no país mediante habilitações judiciais, embora algumas das uniões tenham sido canceladas posteriormente e estejam pendentes de apelação.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.