Primeiros resultados no Equador confirmam vitória do 'sim'

Eles confirmam a tendência anunciada pelas pesquisas de boca-de-urna; nova Carta amplia poderes de Correa

Efe,

29 de setembro de 2008 | 02h07

Os primeiros resultados oficiais preliminares divulgados neste domingo, 28, pelo Tribunal Supremo Eleitoral (TSE) do Equador, confirmam a tendência anunciada pelas pesquisas de boca-de-urna, que deram uma folgada vitória ao voto pelo 'sim' à nova Constituição. Veja também:Equatorianos apóiam nova Constituição, diz boca-de-urnaPresidente equatoriano pede unidade após vitória do 'sim'Especialista explica situação do paísÁudio da entrevista com o professor Ayerbe Correa diz que Odebrecht aceitou acordo; empresa nega Apurados 4,91% do total de votos, o 'sim' obtém 65,33% (234.113 votos), o 'não' ao projeto constitucional alcança 27,05% (96.922), os votos nulos 7,03% (25.198), e os votos em branco 0,59% (2.109). Até o momento foram apuradas as atas eleitorais de 1.910 Juntas Receptoras de Votos (JRVs), que representam 358.533 votos, de um total de 38.901 mesas. A nova Carta, que amplia significativamente os poderes de Executivo, entrará em vigor logo depois da proclamação formal do resultado do referendo e sua publicação no diário oficial. A Justiça Eleitoral tem dez dias para anunciar o resultado. "Hoje, o Equador decidiu-se por um novo país. As velhas estruturas foram derrotadas", declarou Correa logo depois de conhecer os primeiros resultados, em Guayaquil. "Seguimos adiante com essa revolução cidadã, da qual nos encarregaram em 26 de novembro de 2006." Correa também fez uma chamada à unidade nacional, mas advertiu que os "políticos que mentiram, em defesa de interesses oligárquicos, terão de prestar contas ao país". O processo de "refundação do Equador", como é denominado por Correa, prossegue agora com a convocação de eleições gerais para todos os cargos eletivos do país - incluindo o de presidente da república. Colaborou Roberto Lameirinhas, de O Estado de S.Paulo

Tudo o que sabemos sobre:
EquadorRafael Correa

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.