Principais propostas dos candidatos ao governo argentino

Conheça as principais propostas apresentadas pelos três candidatos que lideram a disputa pela Presidência da Argentina:   Veja também:  Conheça os candidatos à Presidência argentina    Cristina Fernandez de Kirchner A primeira-dama e principal candidata à sucessão de Nestor Kirchner deve dar continuidade às principais políticas do marido, que reestruturou a economia argentina após a profunda crise econômica de 2001. Veja algumas de suas principais propostas:   ECONOMIA: Manutenção das políticas de superávit primário e orçamentário, aplicação de subsídios para segurar a inflação e opção por um peso fraco e amplas reservas em moeda estrangeira. Cristina também propôs a líderes empresariais construção de um pacto social entre com o governo e trabalhadores.   POLÍTICA EXTERNA: Durante a campanha, Cristina Kirchner viajou para a Europa, os Estados Unidos e países da América Latina, num claro sinal de que terá uma política externa mais pró ativa do que a do marido. Ela promete manter a posição da Argentina na rodada de negociações comerciais de Doha, e continuará pleiteando uma diminuição nos subsídios fornecidos pelos países desenvolvidos a seus agricultores. Assim como Nestor, a candidata é próxima do presidente venezuelano e crítico dos EUA, Hugo Chávez, mas deve manter boas relações com Washington.   DEMOCRACIA: Ela promete fortalecer as frágeis instituições democráticas argentinas, entre elas o Congresso, o Judiciário e as agências regulatórias.   DIREITOS HUMANOS: Cristina promete apoiar a construção de um memorial em um antigo centro de tortura da repressão militar argentina. Além disso, diz que manterá os julgamentos contra os carrascos da ditadura.     Roberto Lavagña Os temas centrais da campanha do ex-ministro da economia são o combate à criminalidade e à pobreza e a criação de empregos.   ECONOMIA: Lavagña defende o desmantelamento do controle de preços, que para ele agrava a inflação ao invés de solucionar o problema. Além disso, ele promete conseguir um alto superávit orçamentário para manter o dólar forte e cortar a dívida pública.   POLÍTICA EXTERNA: O candidato oposicionista diz que a amizade de Kirchner com Chávez é um grande erro, e promete fortalecer os laços com os vizinhos mais próximos do Mercosul.   POBREZA: Lavagña promete acabar com a miséria na Argentina em quatro anos, e propõe investir 2,5% do PIB por ano para criar 1,6 milhões de moradias populares.   CRIME: Sua proposta para combater o problema é incrementar a repressão policial em áreas com altas taxas de criminalidade.   ENERGIA: Lavagña diz que uma das prioridades de seu governo será a criação de novos projetos para a produção de energia. Entre as propostas estão a ampliação da capacidade de uma grande hidrelétrica argentina, a construção de duas termo-elétricas e a expansão de gasodutos.     Elisa Carrió A política esquerdista fez da transparência o tema central de sua campanha   ECONOMIA: Carrió disse que irá moralizar a agência estatal de estatísticas acusada de manipular importantes dados econômicos. Além disso, ela diz que manterá o peso o mais fraco possível, desde que não haja inflação, e irá cortar as taxas de exportações para commodities.   POLÍTICA EXTERNA: A política promete esfriar as relações com o presidente venezuelano, Hugo Chávez, e melhorar os laços com o Uruguai.   JUDICIÁRIO: Carrió diz que irá garantir a independência do Poder Judiciário e fazer com que os juízes sejam escolhidos por mérito.   ENERGIA: A candidata pretende diversificar as fontes de energia de modo que 30% do consumo energético do país venham de fontes não fósseis até 2020.   CRIME: Planeja lutar contra o uso de drogas para combater o crime.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.