'Procon' argentino defende reembolso por espera em aeroporto

'Já que as companhias multam passageiros que trocam passagem, elas devem pagar quando atrasam vôos'

Marcia Carmo, BBC

27 Julho 2007 | 05h52

O órgão de defesa do consumidor da Argentina disse que vai exigir que os passageiros sejam reembolsados pelo tempo perdido em esperas nos aeroportos argentinos. Nesta quinta-feira, a chamada "Defesa do Povo da Nação", órgão que controla o setor de defesa dos direitos do consumidor na Argentina, começou a distribuir um questionário aos passageiros para saber o que acham da atenção que recebem nos principais aeroportos do país. "Nosso objetivo é conhecer as reclamações dos passageiros e depois exigir que eles sejam reembolsados pelo tempo que perderam parados num aeroporto", disse o porta-voz da "Defesa do Povo da Nação", Juan Jose Larrea. "Já que as companhias aéreas cobram multa dos passageiros que trocam a passagem, elas também devem pagar quando atrasam os vôos por motivos que não sejam relacionados ao mau tempo", disse Larrea. No primeiro dia da pesquisa, as principais queixas foram sobre a falta de informações das companhias aéreas quando os vôos estão atrasados ou são cancelados. Nos últimos meses, os dois principais aeroportos da Argentina, o internacional de Ezeiza e o doméstico, chamado de Aeroparque, ambos em Buenos Aires, têm registrado freqüentes atrasos nos vôos. Essa situação se agravou em março, quando um raio atingiu um dos radares e levou a Justiça a determinar que os vôos saíssem com, pelo menos, dez minutos de intervalos para evitar acidentes. Nos últimos dias, de acordo com o Ministério da Defesa, novos radares foram alugados no exterior e os vôos no aeroporto internacional de Ezeiza funcionam normalmente. Mas, esta semana, diante de atrasos de até um dia nos vôos que partem do Aeroparque, uma equipe da "Defesa do Povo da Nação" começou a distribuição do questionário. Na Argentina, a tragédia com o avião da TAM, em Congonhas, fez recordar o acidente com avião da LAPA que, em 1999, saiu da pista do Aeroparque, arrastou carros e bateu num posto de gás, deixando 65 mortos. Atualmente, estão sendo realizadas obras para ampliação da pista deste aeroporto. As obras incluirão a construção de túneis para os automóveis que passam na avenida em frente ao terminal aéreo. Mas enquanto não aparece solução definitiva para os atrasos nos vôos - por problemas técnicos ou pelo mau tempo -, a empresa Interbaires decidiu erguer um spa no aeroporto de Ezeiza, como informou o jornal El Cronista. O spa deverá ser aberto em quatro meses e vai oferecer tratamentos de pele, manicure, pedicure e diferentes duchas. O objetivo deste serviço é evitar o estresse do passageiro que não tem nada para fazer enquanto espera a hora de partida do seu vôo. A Interbaires administra o setor de duty free do aeroporto argentino, controlado pelo grupo Aerportos Argentina 2000. O spa, que será cobrado em dólares, deverá ocupar um espaço de no mínimo 70 metros quadrados numa área que não era usada no aeroporto.   BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Mais conteúdo sobre:
Argentina aeroporto crise aérea

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.