Procuradoria da Venezuela solicita extradição de banqueiro à Justiça

Nelson Mezerhane, acionista minoritário da Globovisión, é procurado por supostos crimes financeiros

Efe,

16 de agosto de 2010 | 23h34

CARACAS- A Procuradoria da Venezuela afirmou nesta segunda-feira, 16, que pediu a um tribunal de Caracas a extradição do banqueiro Nelson Mezerhane, supostamente nos Estados Unidos, para responder a crimes financeiros que teria cometido no país.

 

Em 30 de junho, a Justiça venezuelana ordenou a prisão do dono do Banco Federal, no qual o governo interveio por problemas de liquidez. Mezerhane também é acionista minoritário da Globovisión, último canal crítico ao governo do presidente Hugo Chávez.

 

 

O tribunal acionado pela Procurador terá um prazo de 30 dias para responder se acatará o pedido ou não. Se o Supremo considerar a petição válida, ela será remitida ao governo para que o Ministério de Relações Exteriores o remeta à Justiça dos Estados Unidos.

 

A Procuradoria acusou Mezerhane dos crimes de "associação criminosa, aproveitamento fraudulento de fundos públicos, aprovação indevida de créditos, apropriação e distração de recursos financeiros, difusão de informação financeira falsa e ocultação de informação na declaração constitucional".

 

Após a intervenção em sua instituição financeira, o governo também confiscou bens de Mezerhane para ressarcir clientes do banco que ficaram sem seus depósitos.

 

Em 10 de agosto, o governo decidiu liquidar o Federal para vender parte de seus ativos e cobrir o pagamento de depósitos de clientes. No dia seguinte, a Assembleia Nacional aprovou uma reforma da Lei de Bancos para impedir que acionistas de bancos sejam donos de meios de comunicação.

 

Mezerhane disse que seu caso é uma perseguição política de Chávez por causa da linha editorial da Globovisión.

 

O acionista majoritário do canal, Guillermo Zuloaga, também é foragido da Justiça venezuelana por armazenar cerca de vinte veículos em uma de suas propriedades. A Procuradoria o acusou de manter os carros para depois revendê-los a um preço maior.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.