Produtores rurais argentinos prometem prolongar paralisação

Os produtores rurais da Argentinapodem prolongar a paralisação que deveria ser concluída napróxima semana, uma medida que ameaça suspender as exportaçõesde grãos de um dos principais fornecedores do mundo. "Na quinta-feira 15 vamos avaliar se termina aí ou seseguimos. O mais provável é que, da maneira como estão ascoisa, esta paralisação continue", disse Eduardo Buzzi,presidente da Federação Agrária Argentina, diante de um grupode produtores na Província de Entre Ríos, uma das principaisprodutoras agropecuárias. Centenas de produtores rurais ocuparam, neste sábado,rodovias na região com tratores e caminhonetes para protestarcontra a política agropecuária do governo, no terceiro dia degreve, cujo fim estava previsto para quinta-feira. Buzzi afirmou que não vão aceitar suspender a iniciativacomo condição para retomar o diálogo com o governo, suspenso nasemana passada. A interrupção das negociações ocorreu devido àfalta de consenso em um ponto-chave dos impostos sobre asexportações. Os produtores rejeitam uma alteração no imposto para vendasexternas de grãos e derivados adotada em março, que na práticaelevou a carga sobre a soja, o maior produto de exportação dopaís. Em março, os produtores realizaram uma paralisação de trêssemanas em protesto contra a nova medida fiscal, o que provocouo desabastecimento de alimentos básicos e elevou preços nosprincipais mercados de grãos devido à perspectiva de queda deoferta. Desde que começou o protesto, foram realizadasmanifestações de agricultores em estradas, em alguns casos combloqueio das mesmas.No início de abril, os produtores optaram por uma trégua parainiciar negociações com o governo, mas não conseguiram chegar aum acordo. Os produtores acusam o governo de prepotente, enquanto asautoridades alegam que o setor rural é inflexível. "É muito difícil dialogar com alguém que diz 'se não se fazo que eu quero ... vou embora ou bato a porta", disse a umaemissora de rádio o chefe de gabinete de ministros, AlbertoFernández.(Reportagem de Karina Grazina)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.