Produtores rurais da Argentina discutem possível fim da greve

O setor agropecuário da Argentina,que tem realizado manifestações devido à elevação dos impostossobre a exportação de soja, fará um encontro nesta quarta-feirapara decidir se suspende a greve de 21 dias responsável porcausar desabastecimento nos supermercados e paralisar o enviode grãos para o exterior. "Acho que hoje será um dia decisivo", afirmou EduardoBuzzi, presidente da Federação Agrária Argentina (FAA), um dosquatro maiores grupos ruralistas do país. Os líderes do setor devem reunir-se na cidade deGualeguaychu, na Província de Entre Ríos (nordeste), paradecidir se colocarão fim às três semanas de bloqueios nasestradas. A greve já repercutiu nos preços internacionais dos grãos.A Argentina é um importante fornecedor mundial de soja, milho,trigo e carne. A paralisação é o desafio político mais grave enfrentadopela presidente do país, Cristina Fernández de Kirchner, que naterça-feira, em uma imensa manifestação pró-governo, tentoumostrar sua determinação em não ceder às exigências dosprodutores rurais sobre cancelar o aumento dos impostos. A dirigente pediu que os grevistas abrissem novamente asestradas. O novo esquema de cobrança de imposto substituiu a antigaalíquota fixa de 35 por cento sobre a exportação de soja poruma alíquota variável que gira em torno de 40 por cento. A decisão de elevar os impostos deixou enfurecidos osprodutores rurais, já insatisfeitos com os limites baixadospelo governo à exportação em meio a esforços para controlar ospreços internos dos alimentos. E isso apesar de o setor beneficiar-se dos subsídiosestatais sobre o petróleo e das políticas responsáveis pormanterem a moeda do país relativamente fraca. Cristina considera que os impostos mais altos são um pontocentral do plano econômico elaborado para combater a inflação eredistribuir a riqueza gerada pelo recente boom dascommodities. (Por Kevin Gray) REUTERS FE

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.