Proposta constitucional de Chávez passa em primeiro turno

Essa é a primeira de três votações às quais projeto do presidente será submetido no Legislativo venezuelano

Efe,

21 de agosto de 2007 | 19h00

A Assembléia Nacional (AN) da Venezuela aprovou por unanimidade e em primeira votação nesta terça-feira, 21, o anteprojeto de reforma constitucional apresentado pelo presidente do país, Hugo Chávez, na última quarta-feira, 15.    Mãe de Betancourt diz que Chávez negociará com as Farc     A primeira discussão do anteprojeto, que ainda deverá passar por outros dois debates para ser aprovado, foi transmitido quase em sua totalidade em cadeia nacional obrigatória de TV e rádio.   A proposta de reforma constitucional inclui um proposta de reeleição presidencial indefinida e a inclusão dos conceitos de propriedade social e comunal, além da privada, entre outros assuntos. O objetivo da reforma, segundo Chávez, é instaurar o socialismo no país.   Durante a primeira discussão, a proposta de reforma de 33 dos 350 artigos da Constituição Bolivariana de 1999 foi amplamente defendida pelos que intervieram no debate.   A AN conta com 167 membros, todos ligados ao governo - a oposição boicotou as eleições legislativas de dezembro de 2005.   A única crítica veio dos deputados do partido Podemos (de esquerda), que rechaçaram o estabelecimento de prazos para a discussão do anteprojeto de reforma, argumentando que a medida poderia inibir a participação da sociedade no necessário "grande debate nacional". "Não sabemos se será em um mês, em dois meses ou em três meses. Não podemos castrar a discussão", disse Ismael García, um dos 20 deputados do partido Podemos no Legislativo.   No entanto, a presidente da AN, Cilia Flores, insistiu que o projeto deve ser aprovado em cerca de "dois meses", e voltou a pedir ao Poder Eleitoral que inicie imediatamente o processo de preparação para o referendo popular ao qual a proposta será submetida.   A segunda discussão sobre o anteprojeto deve começar em duas semanas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.