Protestos deixam pelo menos 60 estudantes presos no Chile

Manifestantes protestam contra a Lei Geral de Educação; Michelle Bachelet pede o fim das manifestações

Efe,

25 de junho de 2008 | 19h30

A polícia chilena deteve nesta quarta-feira, 25, pelo menos 35 estudantes em Santiago e outros 25 na cidade de Copiapó durante um protesto contra a Lei Geral de Educação, aprovada no dia 19 de junho na Câmara dos Deputados. Estudantes e professores realizaram numerosas manifestações desde abril passado contra esta nova lei, que agora passará para o Senado, já que, segundo eles, aumentaria a desigualdade. Fotos: Reuters Além disso, exigem do governo o fortalecimento da educação pública e o fim da seleção de alunos nos colégios. Cerca de dois mil estudantes marcharam nesta quarta de forma pacífica pelo centro de Santiago, da praça Itália até a praça Almagro, onde os dirigentes leram seus discursos e onde começaram os primeiros distúrbios, segundo a imprensa local.  Em uma entrevista ao canal Television Nacional de Chile, a presidente Michelle Bachelet pediu aos estudantes que cessassem as mobilizações. Ela reiterou seu compromisso de "fortalecer a educação pública" ressaltando que a nova lei "é infinitamente melhor que a Lei Orgânica Constitucional de Ensino (LOCE)", imposta nos anos 80 pela ditadura de Augusto Pinochet. 

Mais conteúdo sobre:
Chileprotestos

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.