Protestos na Bolívia obrigam Morales a usar aeroporto do Brasil

O presidente da Bolívia, Evo Morales,foi forçado na quarta-feira a utilizar um aeroporto em ummunicípio de Rondônia para fugir de grupos radicais opositores,em um novo episódio do conflito político boliviano, informaramfontes do governo nesta quinta-feira. Grupos de choque ligados aos governadores que se opõem aMorales tomaram os aeroportos das cidades amazônicas deRiberalta e Guayaramerín, a cerca de mil quilômetros de La Paz,impedindo o reabastecimento do helicóptero que Morales usavapara voltar a La Paz, segundo as fontes. O presidente boliviano, que viajava à região, vizinha aoBrasil, para assinar um contrato de estudo de um grande projetohidroelétrico, teve que ir por terra até a cidade deGuajará-Mirim, em Rondônia, onde entrou em um avião militarboliviano quase à meia-noite. A prefeitura de Guajará-Mirim confirmou o vôo. A cidadefronteiriça, a 347 km de Porto Velho, tem um aeroporto comdestacamento da Aeronáutica, pista asfaltada, mas sem torre decontrole de vôo. "Foi a melhor solução ir por terra até Guajará-Mirim,porque ali havia um aeroporto que dava todas as segurançastécnicas, com pista asfaltada e iluminação", disse naquinta-feira à rádio Erbol o ministro de Hidrocarbonetos eEnergia, Carlos Villegas, que acompanhava Morales. Os ativistas da região boliviana chegaram inclusive aapedrejar o helicóptero presidencial, mas Morales não estava abordo no momento, segundo Villegas. O incidente impediu que Morales assistisse a uma reuniãocom municípios rurais, programada para a noite de quarta-feiraem La Paz. Na ocasião, o vice-presidente Alvaro García disseapenas que o presidente havia tido "problemas para acoordenação de horários". Os grupos opositores já impediram Morales de chegar aoutras três cidades. No referendo revogatório de mandatos, feito no dia 10 deagosto, Morales manteve o cargo, com mais de 67 por cento dosvotos. Para viajar pelo território boliviano, o que Morales fazfrequentemente, o presidente usa tanto pequenos aviõesmilitares quanto helicópteros concedidos por Hugo Chávez,presidente da Venezuela. (Por Carlos Alberto Quiroga) REUTERS MR FE

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.