Protestos suspendem encontro de Morales com Chávez e Cristina

Uma visita conjunta dos presidentes daVenezuela e da Argentina à cidade boliviana de Tarija, para aassinatura de acordos energéticos com Evo Morales, foi suspensano último momento devido a protestos antigovernamentais nolocal do encontro. O vice-presidente boliviano, Alvaro García Linera, fez oanúncio em uma breve declaração à imprensa depois que ativistastentaram tomar o aeroporto da cidade, horas antes do horário emque estava programada a chegada de Hugo Chávez e de CristinaKirchner. Além disso, dois mineradores morreram na manhã deterça-feira, depois de entrar em conflito com a polícia em umbloqueio de estrada, o que contribuiu para o aumento da tensãopolítica na Bolívia, cinco dias antes de um referendorevogatório de mandatos. "Esta suspensão (do encontro entre os três presidentes) foidecidida devido aos atos de violência, provocação eintolerância promovidos por grupos fascistas, conservadores,retrógrados, antibolivianos e anti-Tarija", disse Linera. Chávez já havia anunciado na Venezuela que tinha conversadocom Morales sobre o cancelamento do encontro. "Por questões de segurança, ou melhor, de falta desegurança (...), o melhor juízo político aconselha suspender aviagem a Tarija da presidente Cristina Kirchner, foi o quesugerimos, com ela não pude falar", disse Chávez em BuenosAires, onde está desde segunda-feira. Segundo o anúncio do governo boliviano, Morales e Cristinaassinariam acordos relacionados a uma reprogramação do projetode exportação de gás natural ao nordeste argentino. Já o boliviano e o venezuelano pretendem lançar um programade fabricação de casas feitas com plásticos e outros derivadosdo gás natural, um produto abundante na Bolívia. (Reportagem de Carlos Alberto Quiroga, em La Paz; e KarinaGrazina, em Buenos Aires)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.