Quase 800 pessoas são presas na Venezuela em campanha contra escassez

A Venezuela prendeu 794 pessoas desde meados de agosto por supostamente contrabandear produtos básicos e combustível subsidiados para países vizinhos, em meio a uma campanha do presidente Nicolás Maduro para reduzir a escassez que tira o sono dos venezuelanos.

REUTERS

25 de setembro de 2014 | 22h16

Foram colocadas atrás das grades 631 pessoas, outras 119 ganharam liberdade enquanto esperam julgamento e 25 ainda aguardam audiência, explicou a diretora-geral contra a Delinquência Organizada do Ministério Público, Yuraima Gil.

"O maior número de pessoas detidas foi registrado em Zulia (oeste do país, na fronteira com a Colômbia), onde 477 detidos foram contabilizados", disse Gil a uma rádio nesta quinta-feira.

Como parte de sua campanha para acabar com o contrabando de alimentos e combustível subsidiados para a Colômbia e algumas ilhas do Caribe, Maduro determinou em agosto o fechamento noturno da fronteira colombo-venezuelana, e anunciou um sistema de detectores de impressão digital que restringe a compra de produtos escassos em supermercados estatais.

Os opositores ao presidente socialista dizem que o contrabando tem crescido nos últimos anos devido à cumplicidade entre as Forças Armadas da Venezuela e contrabandistas.

(Reportagem de Diego Oré e Eyanir Chinea)

Mais conteúdo sobre:
VENEZUELAPRESOSESCASSEZ*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.