Quatorze guerrilheiros das Farc desertam na Colômbia

Exército colombiano afirma que rebeldes se entregaram após a pressão dos militares na região

REUTERS

15 de maio de 2008 | 07h50

Quatorze combatentes da maior guerrilha de esquerda da Colômbia desertaram na quarta-feira, 14, no norte do país, devido à pressão das Forças Militares que mantêm uma ofensiva contra os rebeldes, informou o Exército. A entrega dos integrantes da frente 19 das Farc aconteceu no Estado de Magdalena, perto do litoral caribenho.   Veja também: Por dentro das Farc  Histórico dos conflitos armados na região   "A ofensiva que avançou sobre as tropas da Primeira Divisão, a pressão que sofreram e a campanha liderada pelo Exército em prol da desmobilização dos guerrilheiros na costa do Caribe, com panfletos e mensagens no rádio, fez com que 14 integrantes da frente 19 das Farc se entregassem voluntariamente", disse o Exército. "A forte e constante pressão do Exército, a falta de víveres para o seu sustento, os maltratos e as mentiras por parte dos chefes das Farc foram os principais motivos que os levaram a se apresentar às autoridades", disse um comunicado. Desde 2002, mais de nove mil integrantes das Farc desertaram e foram acolhidos por um programa governamental que oferece benefícios jurídicos, subsídios e acesso à educação, saúde e capacitação profissional. As Farc são a maior guerrilha da Colômbia, contam com cerca de 17 mil combatentes e são consideradas uma organização terrorista pelos Estados Unidos e pela União Européia. O grupo rebelde, acusado pelo governo colombiano de obter milionários recursos com o narcotráfico e sequestros, diz que luta para impor um sistema socialista no país de mais de 44 milhões de habitantes, onde as diferenças entre ricos e pobres são marcantes.

Tudo o que sabemos sobre:
ColômbiaFarc

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.