Quatro reféns libertados pelas Farc chegam à Venezuela

Guerrilha anunciou que não fará mais libertações até que o governo aceite desmilitarizar dois povoados

EFE e Reuters

27 de fevereiro de 2008 | 18h38

Os quatro reféns libertados pelas  Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) nesta quarta-feira, 27,  e os membros da missão que foi resgatá-los na selva colombiana chegaram no aeroporto de Maiquetía, em Caracas,  na Venezuela, no início da noite. As aeronaves que os resgataram haviam aterrisado na  base militar de Santo Domingo, no sudoeste do país.   Ao desembarcar, Gloria Polanco disse que a franco-colombiana Ingrid Betancourt, refém das Farc há seis anos, está "muito doente" em um acampamento rebelde na selva. Já Luis Eladio Pérez, que viu Ingrid pela última vez, por alguns minutos, há 23 dias, afirmou que a situação dela é "extremamente difícil". "Trabalharemos sem descanso rumo à liberdade de todos, mas particularmente da Ingrid Betancourt, que está neste momento numa situação extremamente difícil".   Veja também: Farc libertam mais 4 reféns, diz Cruz Vermelha Ministro diz que Farc não entregaram provas de vida dos reféns Por dentro das Farc Reféns colombianos: do seqüestro à liberdade Quem são os 4 reféns libertados na Colômbia   Os familiares dos ex-congressistas viajaram nesta tarde ao aeroporto.Os familiares de Gloria Polanco, Orlando Beltrán, Luis EladioPérez e Jorge Eduardo Gechem chegaram pouco depois das 16h30 locais (17h30 de Brasília) ao aeroporto procedentes do hotel onde estão.     A guerrilha anunciou que não fará mais libertações unilaterais de reféns até que o governo aceite desmilitarizar dois povoados de Valle del Cauca, após a entrega de quatro ex-parlamentares que estavam sob poder da guerrilha.   A partir dali, os ex-congressistas e os membros da missão viajarão a Caracas, segundo disse  o porta-voz do Governo venezuelano, Jesse Chacón.     Libertação    O anúncio foi feito pelas Farc em comunicado, divulgado pela rádio Caracol , enquanto eram entregues a uma comissão humanitária os ex-congressistas Gloria Polanco de Lozada, Luis Eladio Pérez, Orlando Beltrán Cuéllar e Jorge Eduardo Gechen Turbay nas selvas de Guaviare. Os quatro políticos, a caminho da Venezuela, foram entregues a uma comissão liderada pelo ministro do Interior venezuelano, Ramón Rodríguez Chacín, e pela senadora opositora colombiana Piedad Córdoba, além de uma euipe do Comitê Internacional da Cruz Vermelha (CICV).   A delegada do Comitê na Colômbia, Bárbara Hintermann, indicou que os ex-legisladores entregues passam bem. "Estão em nossas mãos e estão em um estado de saúde que lhes permite viajar", disse Hintermann aos jornalistas em Bogotá.   Na mensagem assinada por sua cúpula, as Farc destacaram que a libertação "é a conquista da persistência humanitária e da sincera preocupação com a paz da Colômbia" do presidente venezuelano, Hugo Chávez, e da senadora opositora colombiana Piedad Córdoba. "Agora deve continuar a desmilitarização de Pradera e Florida por 45 dias, com presença guerrilheira e da comunidade internacional como fiadores para pactuar com o governo (colombiano) nesse espaço a libertação dos guerrilheiros e dos prisioneiros de guerra", indicou o grupo.   As Farc, que segundo as autoridades detêm mais de 750 pessoas, que pretendem trocar um grupo de seqüestrados - hoje somam 40 - por 500 guerrilheiros presos, mediante um acordo com o governo, mas exigem, para isso, a desmilitarização dessas duas localidades, o que Bogotá rejeita plenamente.   "Esta libertação é a mais contundente manifestação de que pode mais a humanidade e a intransigência", indicou o comando das Farc no comunicado datado nas montanhas da Colômbia. Além disso, a guerrilha afirmou que a libertação ocorreu em meio a "uma gigantesca operação militar".   De San José do Guaviare, os ex-reféns partiram rumo à Venezuela, onde devem se reunir com seus parentes e com o presidente Chávez, que facilitou a operação e obteve das Farc a libertação unilateral. As aeronaves de resgate com emblemas do CICV decolaram após as 12h30 (horário de Brasília) do aeroporto de San José do Guaviare, capital da região e meia hora depois já haviam resgatado os ex-congressistas.   A operação foi semelhante à de 10 de janeiro, quando as Farc entregaram na mesma região ao CICV e a Chacín a ex-candidata a vice-presidente Clara Rojas e a ex-parlamentar Consuelo González de Perdomo.      Texto atualizado às 20h40 para acréscimo de informação

Tudo o que sabemos sobre:
Farc

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.