Rafael Correa termina 2008 com 70% de aprovação

Apesar de alto índice, credibilidade do presidente equatoriano caiu de 68% para 61% entre a população

Efe,

12 de janeiro de 2009 | 08h00

O presidente do Equador, Rafael Correa, terminou seu segundo ano de governo com uma aceitação de 70% a sua gestão, segundo uma pesquisa da firma privada Cedatos divulgada no domingo, 11, pelo jornal eletrônico Ecuadorinmediato.   A credibilidade na palavra do governante registrou uma baixa de 68% para 61% entre janeiro de 2007 e janeiro de 2009, segundo a Cedatos. A enquete foi realizada sobre uma mostra de 1.250 cidadãos de áreas urbanas e rurais de Sierra, Costa e Amazonía e tem um nível de confiança de 95%.   Segundo a pesquisa de opinião, a reação da população perante a atitude e forma de ser de Correa frente às pessoas e instituições, políticos, imprensa e opositores em geral teve uma queda de 65% para 50%.   Desde que começou seu governo, em janeiro de 2007, Correa manteve diversas confrontações com diferentes setores internos, como certos políticos, empresários e meios de comunicação. O presidente da Cedatos, Polibio Córdova, disse que os cidadãos ressaltam que Correa não tem oposição, nem há líderes de seu nível e que, portanto, atua sem concorrente.   Acrescentou que os equatorianos dizem que a situação geral do país piorou e que será ainda pior no futuro; no entanto apoiam o presidente "movidos por seu discurso, pela gigantesca publicidade oficial e por sua comunicação pessoal e permanente".

Tudo o que sabemos sobre:
EquadorRafael Correa

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.