Raul Castro e Hugo Chávez inauguram refinaria em Cuba

Com investimento inicial de US$ 166 mi, local terá capacidade para processar 65 mil barris de petróleo por dia

EFE

22 de dezembro de 2007 | 02h53

O presidente em exercício de Cuba, Raúl Castro, afirmou nesta sexta-feira que a inauguração da refinaria de Cienfuegos, a 260 quilômetros de Havana, abre uma nova etapa para o desenvolvimento da indústria petroquímica cubana. Castro e o presidente da Venezuela, Hugo Chávez, inauguraram a refinaria Camilo Cienfuegos, no encerramento da cúpula da Petrocaribe, um mecanismo de cooperação regional no setor de energia. "Está aberta uma nova etapa para o desenvolvimento da indústria petroquímica nacional. Técnicos cubanos e venezuelanos trabalham em novos projetos para ampliar a capacidade desta refinaria", disse Raúl Castro, durante o ato de inauguração. Ele acrescentou que o desenvolvimento de um pólo petroquímico permitirá à ilha produzir amoníaco, uréia, cloro, PVC e tintas, além de ampliar a produção de adubos, "vitais para o desenvolvimento da agricultura". O também ministro da Defesa destacou que o projeto dá fim a "um longo período de paralisação iniciado em abril de 1995, como conseqüência do desaparecimento da União Soviética", cuja tecnologia foi usada na década de 80. "Cuba não poderia dar este passo sem a Alternativa Bolivariana para a América (Alba)", ressaltou. Raúl Castro aproveitou para elogiar a Petrocaribe, mecanismo pelo qual a Venezuela fornece petróleo e derivados aos países da região. "Que outro exportador fornece combustível baseado nos princípios de cooperação, solidariedade e complementaridade, que nada têm em comum com as leis do livre mercado?", perguntou. A refinaria Camilo Cienfuegos exigiu um investimento total de mais de US$ 1,4 bilhão para sua reabilitação total e já constitui um símbolo da cooperação energética na Alba, que reúne Venezuela, Cuba, Bolívia e Nicarágua. Nesta primeira fase, com um investimento de US$ 166 milhões, a refinaria terá capacidade para processar 65 mil barris de petróleo por dia. Ao fim da obra o volume aumentará para 109 mil barris.

Tudo o que sabemos sobre:
HavanaChávezCastroCuba

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.