Raúl Castro exige mais disciplina de dirigentes cubanos

O presidente interino de Cuba, RaúlCastro, estabeleceu novas punições para dirigentes efuncionários públicos, numa tentativa de conter a corrupção,segundo decreto publicado na terça-feira no site do diáriooficial. O novo "regime disciplinar" pune violações que vão desdeausências e atrasos no trabalho até a perda ou roubo de bensmateriais do Estado. Os chefes serão considerados responsáveis"colaterais", mesmo que não tenham participação direta emirregularidades. O decreto-lei entrará em vigor no dia 1. "As medidas disciplinares se impõem de modo direto e comefeito imediato", acrescentou o documento, que prevê aexoneração dos infratores. O texto diz que os dirigentes devem construir, com seu"exemplo pessoal" de dedicação e honestidade, um padrão deconduta a ser seguido por seus subordinados. Outro decreto firmado por Raúl Castro e publicado naterça-feira reforçou o controle da responsabilidade social dostrabalhadores sobre a propriedade das empresas estatais,sancionando os infratores com descontos salariais. Mais de 90 por cento da economia cubana é controlada peloEstado, que coexiste com um extenso mercado negro alimentadocom bens subtraídos do governo. No final do ano passado, o governo interino de Raúl Castroexigiu uma maior disciplina dos trabalhadores para garantir acontinuidade do socialismo na ilha. Um novo código de disciplina no trabalho, que visa a acabarcom o absenteísmo e a flexibilidade dos expedientes, deveriaentrar em vigor em janeiro, mas foi adiado até abril devido, emparte, à falta de transporte público para que os trabalhadorescumpram seus horários. (Por Rosa Tania Valdés)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.