Raúl Castro frustra expectativa de novas reformas em discurso

O líder cubano Raúl Castrofrustrou as expectativas de anúncio de novas reformaseconômicas em discurso no sábado, no qual alertou os cubanos anão se habituarem a ouvir boas notícias. O discurso, que marcou o 55o aniversário do início darevolução cubana, trouxe poucas novidades. Castro salientou aausteridade em Cuba e pareceu refrear as crescentesexpectativas. Os cubanos haviam manifestado a esperança de ouvir deCastro até onde e como ele pretende conduzir Cuba no caminhodas reformas.No discurso de 26 de julho do ano passado, Raúl agradou oscubanos ao reconhecer que os salários estão muito baixos eprometendo mudanças econômicas. "Realmente eu tinha outra expectativa", disse o aposentadoAntonio Rodriguez. "Achava que eles iriam oferecer algo novo,mas o que ele fez foi dizer o mesmo que tem sido dito." Desde que assumiu o poder de seu irmão convalescente Fidelem fevereiro, Raúl Castro, de 77 anos, implantou reformas queaumentaram as esperanças de mudança em um dos últimos estadoscomunistas do mundo. Ao invés disso, ele declarou às dez mil pessoas reunidas noquartel de Moncada, na cidade de Santiago de Cuba, que "arevolução fez e vai continuar a fazer o que pode para continuaravançando e reduzir as conseqüências inevitáveis da atual criseinternacional". Mas, disse ele, as pessoas "precisam se acostumar a nãoreceber somente boas notícias." Em um discurso em 11 de julho à Assembléia Nacional, Castroalertou que os aumentos de salários poderiam ser desaceleradospela claudicante economia mundial, disse que Cuba necessitaaumentar a idade de aposentadoria em cinco anos e conclamou porum sistema de impostos melhor. Raúl iniciou sua presidência com uma série de pequenas massimbólicas mudanças, que incluiu a permissão de compra decelulares e computadores e o acesso a instalações turísticasantes reservadas a estrangeiros. Buscando combater os crescentes custos de importação, olíder realizou amplas reformas na agricultura para aumentar aprodução de alimentos, permitindo a fazendeiros particulares ecooperativas -- mais produtivos que operações estatais --cultivar mais terras. Castro falou em um antigo quartel onde participou do gruporebelde liderado por Fidel Castro que atacou aquela instalaçãono dia 26 de julho de 1953, dando início a uma insurreiçãocontra o ditador Fulgencio Batista, apoiado pelos EUA. Muitos dos rebeldes morreram e os irmãos Castro foramcapturados e presos, mas em janeiro de 1959 Fidel assumiu opoder em Cuba depois da fuga de Batista do país. Fidel, de 81 anos, não aparece em público desde seudiscurso em 26 de julho de 2006, depois do qual sofreu umacirurgia intestinal e passou o comando a seu irmão mais novo.

ESTEBAN ISRAEL, REUTERS

27 de julho de 2008 | 10h50

Tudo o que sabemos sobre:
CUBARAULREFORMAS

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.