Raúl Castro se diz aberto a encontro com Obama--mídia

O presidente cubano Raúl Castro está aberto a um encontro em território neutro com o presidente eleito dos Estados Unidos, Barack Obama, para tentar superar a inimizade de quatro décadas entre a ilha e Washington, disse em entrevista a uma revista norte-americana. A entrevista para a revista The Nation foi realizada pelo ator Sean Penn, que viajou a Havana após encontrar-se com o aliado cubano e presidente da Venezuela, Hugo Chávez. Ela foi realizada antes da vitória de Obama nas eleições de 4 de novembro nos Estados Unidos. "Você perguntou se eu aceitaria me encontrar com ele (Obama) em Washington. Eu teria que pensar a respeito. Eu discutiria isso com todos os meus camaradas na liderança", disse Castro a Penn na entrevista, publicada na página da revista na Internet. "Pessoalmente, eu acho que não seria justo que eu seja o primeiro a visitar, porque sempre os presidentes de países da América Latina vão primeiro para os Estados Unidos. Mas também seria injusto que eu esperasse uma visita do presidente dos Estados Unidos a Cuba. Deveríamos nos encontrar em um lugar neutro", acrescentou Raúl. Obama tem afirmado que reverterá a política do governo Bush que restringiu a visita à ilha de norte-americanos com origem cubana e o envio de dinheiro às suas famílias. Ele pretende conversar com Castro, mas manterá o embargo comercial de 46 anos para tentar influenciar mudanças democráticas no regime unipartidário de Cuba. "Talvez possamos nos encontrar em Guantánamo", disse Castro, em referência à baía onde os Estados Unidos mantêm uma base naval considerada por Cuba como uma violação de sua soberania. "Precisamos nos encontrar e começar a resolver nossos problemas, e no final do encontro, daríamos um presente ao presidente... poderíamos mandá-lo de volta para a casa com a bandeira norte-americana que tremula na baía de Guantánamo." (Reportagem de Patrick Markey)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.