Rebelião em prisão de Honduras deixa 18 detentos mortos

Polícia afirma que vítimas foram atacadas por outros presos e que não há registro de feridos

Agência Estado e Associated Press,

03 de maio de 2008 | 16h39

Pelo menos 18 prisioneiros foram mortos durante uma rebelião ocorrida neste sábado, 3, na principal prisão de Honduras, informou a polícia. As vítimas foram atacadas por outros detentos. "Não houve nenhum ferido", disse Héctor Iván Mejía, porta-voz da polícia. "A situação já está sob controle das autoridades." Segundo Mejía, todos os mortos pertencem aos grupos Mara Salvatrucha (MS) e Mara 18. Não se sabia a causa do massacre. "Separamos os dois grupos em diversas celas para evitar outra matança", assegurou o policial. Um grupo de 31 prisioneiros havia sido transferido na sexta-feira para a Penitenciária Nacional, que fica perto da capital hondurenha, Tegucigalpa. Esse grupo foi o alvo da rebelião: sobreviveram 13 deles. A prisão tem aproximadamente 3 mil detentos e está localizada na aldeia de Támara, 10 quilômetros ao norte da capital. É comum esse tipo de violência em Honduras. Nos últimos sete anos, 450 detentos foram mortos por outros prisioneiros. Com mais de 20 mil membros, os grupos MS e Mara 18 levam terror ao país. Seus membros são usados pelo crime organizado para realizar assassinatos, traficar pessoas e drogas, entre outros crimes.

Tudo o que sabemos sobre:
Hondurasrebelião

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.