Recusa de tratado com Colômbia pode ajudar Chávez, dizem EUA

Subsecretário de Estado, Nicholas Burns, afirma que opositores afirmarão que país não se preocupa com a AL

Associated Press,

23 de outubro de 2007 | 04h01

O governo do presidente George W. Bush advertiu nesta segunda-feira, 22, que se o Congresso americano não aprovar o tratado de livre comércio com a Colômbia impulsionará o crescimento do presidente venezuelano Hugo Chávez. "Sem a aprovação, alguém como Chávez, ou ele próprio, usará o argumento de que os Estados Unidos não se preocupam com seus amigos", disse o subsecretário de Estado, Nicholas Burns. "Não desejamos dar este argumento para nossos adversários na América Latina". Desde janeiro passado, quando os democratas tomaram o controle do Congresso, nenhum acordo de livre-comércio negociado pelo governo foi aprovado. Há tratados pendentes com três países latino-americanos, Peru, Panamá e Colômbia, além de um tratado com a Coréia do Sul. Chávez, crítico das políticas econômicos americanos na América Latina, impulsiona sua alternativa Bolivariana para as Américas, com o apoio de Cuba, Bolívia e Nicaraguá, como uma alternativa aos pactos comerciais com os Estados Unidos.  Para Burns, o tratado é "uma base fundamental das relações dos EUA com a América Latina".

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.