Refém das Farc pede que Colômbia não o deixe apodrecer na selva

Um ex-congressista colombianosequestrado há mais de oito anos pela guerrilha Forças ArmadasRevolucionárias da Colômbia (Farc) pediu na quinta-feira quenão o deixem apodrecer na selva e que o governo tentelibertá-lo selando um acordo com os rebeldes. O político Oscar Tulio Lizcano deu essas declarações em umvídeo que as Farc divulgaram para provar que o ex-congressistacontinua vivo. Coube à senadora do Partido Liberal PiedadCórdoba receber o vídeo. "Não nos deixem apodrecer na selva", afirmou o político novídeo em que aparece ao lado de quatro guerrilheiros fortementearmados, em meio a uma área de mata fechada. Lizcano, sequestrado no dia 5 de agosto de 2000, é opolítico há mais tempo nas mãos das Farc, um grupo rebelde quetenta trocar com o governo do presidente Álvaro Uribe 40 refénsimportantes por 500 guerrilheiros presos. Dentro do grupo de reféns também se encontram aex-candidata à Presidência colombiana Ingrid Betancourt e trêsnorte-americanos. No entanto, a postura inflexível adotada pela guerrilha epelo governo não permite que as negociações avancem,prolongando o sofrimento dos reféns, alguns dos quais jácompletaram dez anos vivendo em acampamentos da guerrilhamontados em áreas de selva. Uribe, que com o apoio dos EUA adotou uma estratégia deenfrentamento militar contra a guerrilha, nega-se a retirarseus militares de uma zona de 780 quilômetros quadrados do suldo país, conforme exigem as Farc para que representantes dosdois lados negociem um acordo sobre os reféns. "Ao governo, peço respeitosamente que reconsidere suapostura inflexível sobre não ceder", afirmou Lizcano. A mulher do ex-congressista, Martha de Lizcano, disse que omarido, apesar de cansado e fisicamente abatido, continuavafirme quanto a suas convicções políticas. O vídeo foi divulgado no momento em que uma missão médicaorganizada pela França encontra-se na Colômbia com o objetivode entrar na selva para prover atendimento urgente aBetancourt, que, segundo o governo do presidente da França,Nicolas Sarkozy, está gravemente doente e corre perigo demorte. (Reportagem de Luis Jaime Acosta)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.