Reféns na Colômbia marcam posse de Cristina Kirchner

Líderes de toda a América do Sulreuniram-se no domingo em Buenos Aires para assistir a eventosda posse de Cristina Fernández de Kirchner como nova presidenteda Argentina e aproveitam a ocasião para manter reuniõesbilaterais. Os discursos de Cristina e do marido, o atual presidenteNéstor Kirchner, foram marcados por pedidos pela libertação deIngrid Betancourt, ex-candidata presidencial na Colômbiasequestrada por guerrilheiros das Forças ArmadasRevolucionárias da Colômbia (Farc) seis anos atrás. "Reclamamos seriamente por sua liberdade...por ela e poraqueles que estão privados da liberdade, porque o importante éencontrar o marco da convivência", disse Kirchner em seudiscurso durante um jantar de gala organizado para ospresidentes que se encontram no país. Posteriormente, Cristina expressou seu desejo de que "todosos continentes tenham força de poder ajudar para que estasituação se destrave". A mãe de Betancourt, Yolanda Pulecio, foi ao jantar, aconvite da Presidência. Uma das principais figuras da campanha internacional queocorre para impulsar a libertação de Betancourt e outrosprisioneiros sequestrados pela guerrilha colombiana é opresidente venezuelano, Hugo Chávez. Chávez havia sido autorizado semanas atrás pelo governo daColômbia a intermediar uma negociação com as Farc, mas, apósalguns avanços, o presidente colombiano, Alvaro Uribe,suspendeu a participação dele. O primeiro-ministro francês, François Fillon, também chegouà Argentina para a posse de Cristina e pediu no sábado um gestohumanitário inédito das Farc por Betancourt, que tem cidadaniafranco-colombiana. Nesta segunda-feira, ele se reunirá com o presidente LuizInácio Lula da Silva -- que também se mostrou disposto acooperar no caso--, com Uribe e Chávez. Lula conversa ainda com Uribe sobre a situação na Colômbia. As atividades da posse de Cristina começaram no domingo,quando Argentina, Brasil, Venezuela, Uruguai, Paraguai, Bolíviae Equador fundaram o "Banco do Sul", uma instituição quefinanciará projetos de desenvolvimento na região e que nascerácom um capital de sete bilhões de dólares. A cerimônia oficial de posse de Cristina Kirchner ocorrenesta segunda. (Com reportagem de César Illiano e Karina Grazina)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.