Referendo para reeleição de Uribe tem novo obstáculo na Colômbia

O referendo para habilitar o presidente colombiano, Álvaro Uribe, a buscar um terceiro mandato enfrenta novo obstáculo depois que juízes declararam inválida a coleta de assinaturas para a iniciativa por violação de regras financeiras. A decisão desencadeou na sexta-feira uma polêmica jurídica e política.

REUTERS

13 Novembro 2009 | 17h08

Os juízes determinaram que o processo de coleta de mais de quatro milhões de assinaturas que apoiam a iniciativa do referendo excedeu o orçamento autorizado pela lei e que, portanto, precisam ser validadas.

Contudo, outros especialistas em direito constitucional garantiram que a decisão dos juízes ultrapassou suas atribuições porque eles podiam decidir apenas sobre a legalidade do financiamento e não sobre a validade das assinaturas, que foi previamente avaliada pela Secretaria Nacional.

Os candidatos da oposição à Presidência, Rafael Pardo, do Partido Liberal, e Gustavo Petro, do Partido Polo Democrático, também se envolveram na polêmica.

"Essa decisão coloca o referendo em uma situação praticamente de inviabilidade porque é a origem da lei", disse Pardo, um forte crítico de Uribe.

"A ilegitimidade do processo de coleta de assinaturas torna ilegítimo todo o processo", afirmou Petro, que também é contrário à reeleição de Uribe.

Uribe, que assumiu o poder em 7 de agosto de 2002, não tornou pública sua intenção de lançar sua candidatura para um novo mandato de quatro anos depois de sua primeira reeleição em 2006, mas tampouco a descartou.

(Reportagem de Luis Jaime Acosta)

Mais conteúdo sobre:
COLOMBIA URIBE REFERENDO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.