David Fernandez/AP
David Fernandez/AP

Renúncia de governador de seu partido é 'natural', diz Chávez

Presidente afirma que saída de Henri Falcón foi boa para o PSUV, que seguirá com a 'revolução bolivariana'

Efe,

25 de fevereiro de 2010 | 20h56

O presidente venezuelano Hugo Chávez considerou "natural" a saída do governador Henri Falcon do situacionista Partido Socialista da Venezuela (PSUV), porque o político não concordava mais com a "revolução bolivariana", segundo Chávez.

 

Veja também:

linkChávez nomeia sétimo novo ministro no governo em um mês

linkGestão de Hugo Chávez está enfraquecida, dizem especialistas

 

"Nós seguiremos aprofundando a revolução no estado (ocidental) de Lara, agora com maior liberdade, porque não fará falta a opinião do governador" Falcón, disse o presidente em uma coletiva de imprensa no palácio de Miraflores.

 

"A saída da Henri Falcón tem sido e será bom para nós", acrescentou o chefe de Estado.

 

Após sua saída, o governador ex-chavista se inscreveu no Partido Pátria para Todos (PPT), considerado um aliado do PSUV, e argumentou que abandonou a sigla devido a falta de debate interno "porque o partido ficou sequestrado" e os militantes, "encerrados entre suas paredes".

 

"Temos que ir com a verdade adiante. Entendemos que o diálogo, o debate e a autocrítica são básicos para a revisão permanente do modelo a construir", acrescentou Falcón, que reconheceu Chávez como "líder indiscutível".

 

A mudança de partido do governador não altera em princípio a correlação de forças entre a oposição e o chavismo, já que o PPT faz parte do "bloco da mudança" revolucionária.

 

A diretora do PSUV e presidente da Assembleia Nacional, Cilia Flores, chamou s renúncia de Falcón de "traição", enquanto outros porta-vozes do partido governista falaram de um "congelamento" das relações com o PPT.

Tudo o que sabemos sobre:
Hugo ChávezHenri FalcónPSUVPPT

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.