Republicanos apresentam projeto para suspender apoio à OEA

Medida é contra volta de Cuba ao grupo; para deputados dos EUA, gesto é 'irresponsável e antidemocrático'

03 Junho 2009 | 18h02

Sete deputados americanos, a maioria republicanos, apresentaram nesta quarta-feira, 3, um projeto de lei para suspender o apoio financeiro de Washington a Organização dos Estados Americanos (OEA) caso Cuba seja readmitida como país-membro do grupo, informou a agência France Presse. A medida foi proposta horas antes dos chanceleres reunidos em Honduras levantarem o veto de 47 anos que impedia a reintegração da ilha ao organismo.

 

Veja também:

linkApós 47 anos, OEA revoga suspensão de Cuba no grupo

linkFidel: OEA é 'cúmplice' de crimes contra Cuba

lista Leia íntegra da resolução da OEA

 

"Permitir que Cuba recupere seu estatuto pleno viola claramente a própria Carta Democrática

Intermaericana, que requer que seus membros promovam e defendam a democracia", disse em comunicado o deputado republicano Connie Mack, ao avaliar que a readmissão seria um ato "insensato, irresponsável e antidemocrático."

 

O fim da suspensão de Cuba na OEA foi aprovado "sem condições", disse o ministro de Relações Exteriores do Equador, Fander Falconi, mas estabelece mecanismos para o retorno da ilha ao grupo - incluindo a concordância do país em cumprir as convenções da OEA sobre direitos humanos e outras questões.

 

"Em vez de permitir que Cuba recupere seu estatuto pleno, a OEA deveria considerar também expulsar (o presidente venezuelano) Hugo Chávez", acrescentou Mack. Para o deputado, porém, a solução "está nas mãos de Cuba, que tem de liberar seus prisioneiros políticos, permitir eleições livres e imparciais e admitir a liberdade de expressão, para assim voltar a fazer parte da comunidade interamericana."

 

Apesar de agora a ilha poder retornar ao organismo, o governo cubano já disse várias vezes que não deseja fazê-lo, afirmando que a organização é controlada pelos Estados Unidos.

Mais conteúdo sobre:
CubaOEA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.