Luis Hidalgo/Reuters
Luis Hidalgo/Reuters

Resgate de mineiros foi 'tarefa mais importante' de sua vida, diz ministro

Autoridade de Mineração valoriza trabalho da equipe envolvida na retirada dos 33 trabalhadores

Efe,

14 de outubro de 2010 | 19h09

COPIAPÓ, CHILE- O ministro chileno de Mineração, Laurence Golborne, disse nesta quinta-feira, 14, que a operação de resgate dos 33 mineiros que ficaram presos por dois meses em uma mina foi "a tarefa mais importante" de sua vida.

 

Veja também:

blog Enviada especial: A emoção do parto dos mineiros

blog Veja no blog como foi a operação

mais imagens Confira as fotos do local

linkSaiba quem são os mineiros

linkImagem do Chile se fortalece com o resgate

linkResgate custou US$ 22 milhões

especialESPECIAL: Como é feito o resgate

 

"Quero agradecer o presidente Sebastián Piñera por nos ter dado a tarefa mais importante de nossa vida, por nos ter entregado o privilégio de ter conduzido, manejado, participado em uma tarefa de resgate que tem dimensões épicas", declarou Golborne em uma coletiva de imprensa nos arredores da mina de San José.

 

A maioria dos familiares dos mineiros já deixou o local após a operação de sucesso para resgatá-los, que foi concluída na noite de ontem.

 

Golborne, cuja popularidade disparou durante os trabalhos de resgate dos operários, ressaltou que o êxito foi resultado de um trabalho de equipe. "Aqui não há heróis, há um grupo profissional, um grupo humano de primeiro nível", composto por "excelentes profissionais e grandes pessoas" que contribuíram para que "33 pessoas renascessem".

 

O ministro disse ter sentido uma "tremenda satisfação" e uma "emoção gigantesca" ao ver Florêncio Ávalos, o primeiro mineiro resgatado, e "a alegria foi transbordante" quando saiu o socorrista Manuel González, o último a sair à superfície após a evacuação dos 33 mineiros.

 

González, de 43 anos, vinte deles trabalhando no setor de mineração, disse que essa experiência foi "inesquecível" e "muito emocionante".

 

Ao descer na cápsula Fénix 2, González afirmou ter sentido "ansiedade". "Eu queria chegar e começar a resgatá-los logo", disse. "Eles me abraçaram em seguida e me cumprimentaram por eu ter sido o primeiro".

 

"Desmobilização"

 

Golborne anunciou que em um prazo de duas semanas, todas as maquinarias e instalações usadas na operação de resgate serão retiradas dos arredores da mina, uma fase que chamou de "desmobilização".

 

Além disso, as duas perfurações feitas pelas máquinas encarregadas dos planos A e C, que não conseguiram chegar a seu objetivo, serão seladas definitivamente com um tampão de cimento sinalizado.

 

O túnel que foi cavado pela sonda T-130, do Plano B, pelo qual a cápsula foi introduzida, será fechado provisoriamente com um tampão de metal. Nos próximos dias, será decidido se o conduto será fechado de forma definitiva.

 

Segundo o ministro, todos os aparelhos usados no resgate, como os martelos das máquinas, serão guardados, para que seus valores econômico e histórico sejam analisados.

 

André Sougarret, chefe da operação de resgate, disse que "não se desce mais" até a mina de San José. "Essa mina precisa ser fechada e forma definitiva até que um plano adequado em matéria de segurança seja desenvolvido.

 

Leia ainda:

linkMineiros estão bem de saúde e poderão se expor à luz em breve

linkChefe do resgate dos mineiros pode ajudar em acidente na Colômbia

linkDeputados chilenos pedem que governo conceda pensão aos mineiros 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.