Natacha Pisarenko/AP
Natacha Pisarenko/AP

Resgate de mineiros no Chile deve começar após as 18 horas, diz ministro

O presidente Sebastián Piñera chegará ao local entre 17h e 18h; especialistas acreditam que operação não precisará ser interrompida

Efe,

12 de outubro de 2010 | 12h57

COPIAPÓ/SANTIAGO DO CHILE - O resgate dos 33 mineiros chilenos presos a cerca de 700 metros de profundidade em Copiapó, ao norte do país, começará após as 18 horas local (mesmo horário de Brasília) desta terça-feira, 12, afirmou o ministro de Mineração, Laurence Golborne. O presidente do Chile, Sebastián Piñera, chegará à mina entre 17h e 18h, segundo fontes do Palácio de la Moneda.

 

Veja também:

 

Segundo Golborne, o resgate começará "nas últimas horas do dia" e durará cerca de 48 horas, aproximadamente. René Aguilar, um dos responsáveis pelo resgate, disse que a operação para cada minerador demorará 55 minutos: 20 para a cápsula percorrer os 700 metros até os trabalhadores soterrados, outros 20 minutos para a etapa de preparação de cada funcionário a ser resgatado, e mais 15 para o processo de subida.

 

Os especialistas envolvidos no projeto acreditam que o resgate acontecerá sem a necessidade de interrupções.

 

Saída.  O mineiro Florencio Avalos, de 31 anos, será o primeiro dos 33 trabalhadores presos há 68 dias, que será retirado do fundo da mina, seguido de Mario Sepúlveda e do boliviano Carlos Mamani, disse uma fonte do Governo à France Press. O resgate do estrangeiro deverá ser acompanhado pelo presidente de seu país, Evo Morales, que confirmou presença na mina San José. Os cinco primeiros a sair fazem parte do grupo dos mais "hábeis".

 

O chefe de turno Luis Urzúa, de 54 anos, será o último a sair, precedido pelo eletricista Pedro Cortés e de Ariel Ticona, que se encarregou das comunicações do grupo com a superfície. Estes três, junto com outros 14 trabalhadores, fazem parte do grupo dos "fortes".

 

O segundo contingente de saída, que inclui os mineradores mais fracos ou com problemas de saúde, é formado por 11 trabalhadores, entre os quais Mario Gómez, o mais velho (63 anos), que sofre de hipertensão, e José Ojeda, que tem diabetes.

 

Texto atualizado às 16h34

Tudo o que sabemos sobre:
ChileCopiapómineiradoresresgate

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.