Hugo Infante/AP
Hugo Infante/AP

Resgate de mineiros no Chile poderá ser antecipado, dizem encarregados

Operação começaria à meia-noite de quarta-feira, mas trabalhos poderão ter início às 20h

Efe,

12 de outubro de 2010 | 09h06

COPIAPÓ/SANTIAGO DO CHILE - Os operários responsáveis pelo resgate dos 33 mineradores que desde o dia 5 de agosto estão soterrados a 700 metros de profundidade em uma mina no norte do Chile disseram nesta terça-feira, 12, que o procedimento poderá ser adiantado em algumas horas.

 

O ministro chileno de Mineração, Laurence Golborne, afirmou ontem que o resgate começaria à 0h de quarta-feira (horário de Brasília), mas devido ao avanço dos preparativos, os encarregados pela operação informaram que os trabalhos poderão ser iniciados por volta das 20h desta terça-feira.

A essa hora, segundo as fontes, faria-se a última prova da cápsula "Fénix" que evacuará aos 33 mineiros, que fará um descenso e ascensão sem ocupantes.

 

Nas próximas horas, segundo as fontes, será feito o último teste da cápsula "Fênix", que evacuará os 33 trabalhadores. Se tudo ocorrer com normalidade, os quatro membros da equipe de resgate que ajudarão os mineradores na manobra de entrar na cápsula poderão descer até o local onde os trabalhadores estão.

 

René Aguilar, um dos responsáveis pelo resgate, disse que o resgate de cada minerador demorará 55 minutos: 20 para a cápsula percorrer os 700 metros até os trabalhadores soterrados, outros 20 minutos para a etapa de preparação de cada funcionário a ser resgatado, e mais 15 para o processo de subida.

Os especialistas envolvidos no projeto acreditam que o resgate acontecerá sem a necessidade de interrupções.

 

Saída. Quanto à ordem de saída, sabe-se apenas que o chefe de turno Luis Urzúa, de 54 anos, será o último a sair, precedido pelo eletricista Pedro Cortés e de Ariel Ticona, que se encarregou das comunicações do grupo com a superfície.

 

Os três, junto com outros 14 trabalhadores, fazem parte do grupo dos "fortes". Os cinco primeiros a descer fazem parte do grupo dos mais "hábeis", liderado por Florencio Ávalos, de 31 anos.

 

O boliviano Carlos Mamani, de 23, único estrangeiro do grupo, sairia em terceiro lugar, e seu resgate deverá ser acompanhado pelo presidente de seu país, Evo Morales, que confirmou presença na mina San José.

 

O segundo contingente de saída, que inclui os mineradores mais fracos ou com problemas de saúde, é formado por 11 trabalhadores, entre os quais Mario Gómez, o mais velho (63 anos), que sofre de hipertensão, e José Ojeda, que tem diabetes.

 

O presidente do Chile, Sebastián Piñera, chegará à mina entre 18h e 19h (de Brasília), segundo fontes do Palácio de la Moneda.

Tudo o que sabemos sobre:
ChilemineirosCopiapóresgate

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.