Responsáveis por seqüestro político são assassinados

Em outra operação, o Exército colombiano matou 10 guerrilheiros e quatro integrantes de bandos emergentes

EFE

18 de novembro de 2007 | 04h48

Tropas do Exército colombiano mataram neste sábado cinco guerrilheiros das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc), entre eles um ideólogo desse agrupamento, em combates no departamento de Caldas, informou um porta-voz oficial. O comandante da VIII Brigada do Exército, coronel José Barrios, disse que Juan Carlos Rodríguez Ferreiras, conhecido como "Jimmy", foi o encarregado de planejar o seqüestro do parlamentar Óscar Tulio Lizcano. Explicou que "Jimmy", que estava há mais de 15 anos nas Farc, era o "ideólogo e chefe político" da coluna "Aurelio Rodríguez", que agia nos departamentos de Antioquia, Quindío e Caldas, entre outros.  Acrescentou que os rebeldes foram mortos em Riosucio, departamento de Caldas, após intensos combates em uma área montanhosa. O ex-congressista Óscar Tulio Lizcano, de filiação conservadora, foi seqüestrado no dia 5 de agosto de 2000 por uma facção das Farc, em Riosucio, quando era membro da Câmara de Representantes. Atualmente e após passar por vários acampamentos das Farc e de sofrer de várias doenças, entre elas a malária, Lizcano passou a fazer parte do chamado grupo de passíveis de troca. O Governo colombiano e as Farc, com a mediação do presidente venezuelano, Hugo Chávez, e da senadora colombiana Piedad Córdoba, buscam um acordo humanitário. Este acordo possibilitaria a libertação de cerca de 45 pessoas, entre elas a ex-candidata presidencial Ingrid Betancourt, três americanos, políticos, soldados e policiais. Já o Governo colombiano libertaria 500 guerrilheiros detidos em prisões colombianas e também os extraditados "Simón Trinidad" e "Sonia", que cumprem pena nos Estados Unidos. Operação Fortaleza mata 10 guerrilheiros e 4 membros emergentes  Em outra ação, o Exército colombiano também matou 10 guerrilheiros e quatro integrantes de bandos emergentes, em operações em três regiões do país, informaram neste sábado porta-vozes oficiais. A Agência de Notícias do Exército (ANE) informou que na operação "Fortaleza", em Savana de Torres, no departamento de Santander, foram mortos três rebeldes das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc). Na ação militar foram confiscados 100 quilos de explosivo e foi destruído um acampamento com capacidade para abrigar cerca de 20 homens. Em Florencia, departamento de Cauca (sudoeste), o Exército colombiano matou quatro integrantes da quadrilha 29 das Farc, enquanto no departamento de La Guajira, fronteira com a Venezuela, morreram três guerrilheiros do Exército de Libertação Nacional (ELN). Em Aguachica, departamento de Cesar, o Exército matou quatro integrantes dos chamados bandos emergentes, que se dedicam a traficar armas e drogas. Farcs matam sete soldados colombianos Pelo menos sete soldados morreram e outros três ficaram feridos neste sábado num ataque das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) a uma patrulha do Exército, no departamento do Tolima (centro). Um porta-voz da VI Brigada do Exército disse que as Farc acionaram uma poderosa carga explosiva na passagem de uma patrulha da VIII Brigada Móvel do Exército. O ataque ocorreu no local conhecido como "Las Hermosas", precisou o porta-voz. Versões extra-oficiais indicavam que um coronel do Exército teria saído ileso do ataque. Os três feridos foram transferidos em um helicóptero a Iagué, capital do departamento de Tolima, a cerca de 200 quilômetros de Bogotá. O Exército colombiano iniciou uma busca pelos rebeldes que perpetraram o ataque.

Tudo o que sabemos sobre:
Colômbia, Farc

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.