Resultado de referendo é 'vitória da democracia', diz oposição

'Queremos nos sentar e discutir com o presidente os problemas do país', afirma líder opositor

Efe,

03 de dezembro de 2007 | 06h19

O líder opositor Leopoldo López afirmou nesta segunda-feira, 3, que o resultado do referendo sobre a reforma constitucional foi uma "vitória da democracia", após a derrota da proposta do presidente venezuelano, Hugo Chávez, neste domingo. Veja também: Chávez reconhece derrota e parabeniza oposiçãoVenezuela rejeita reforma constitucional de ChávezCNE deve anunciar resultado do referendo, exige oposiçãoChávez e aliados devem reconhecer resultado, pede oposiçãoResultado de referendo será entregue primeiro aos blocosChávez aprovou reforma na Constituição, diz fonte do governoChávez diz que aceita qualquer resultadoVenezuela vota em clima tranqüiloVenezuela dá 'lição de democracia', diz CNETensão na América do Sul  Conheça pontos centrais da reforma  Acompanhe a trajetória de Hugo Chávez     "Está é uma vitória da democracia", disse López, prefeito do município de Chacao, um dos cinco de Caracas, e membro do partido Um Novo Tempo. "A partir de agora, quem tem a ganhar é a paz, a inclusão (...) agradeço ao presidente por reconhecer a vitória", disse o dirigente opositor. Com esta vitória, "todos os venezuelanos cabem em um mesmo projeto de país", acrescentou. "Aqui não venceu a oposição, o que estava em jogo era a democracia ou um socialismo autoritário. Também houve partidários do presidente que decidiram votar pelo 'não'", afirmou. Críticas  Além disso, López criticou Chávez por fazer um plebiscito em torno da reforma constitucional, que afetava 69 dos 350 artigos da Carta Magna de 1999. O dirigente opositor também rejeitou a gestão internacional do líder venezuelano, que teria servido apenas para "levar a Venezuela ao isolamento internacional". "É preciso acabar com o barulho internacional: não se trata do presidente americano George W. Bush, do líder cubano Fidel Castro nem de Evo Morales (o governante da Bolívia), trata-se da Venezuela", disse. "Queremos nos sentar e discutir com o presidente os problemas do país", assinalou. López afirmou ainda que a campanha do referendo tinha sido "difícil", e que a vitória do "não" mostra que os venezuelanos querem "a paz e a inclusão". Resultado Mais de 50% dos venezuelanos votaram contra a reforma constitucional proposta por Chávez, segundo o primeiro boletim oficial divulgado pelo Conselho Nacional Eleitoral (CNE). O CNE assinalou que 50,7% dos venezuelanos votaram contra o primeiro bloco de artigos submetidos à consulta, enquanto 49,29% optaram pelo "sim". Além disso, 51,05% rejeitaram o segundo bloco de artigos, enquanto 48,94% o aprovaram. A abstenção no referendo foi de 44,9%.

Tudo o que sabemos sobre:
VenezuelaHugo Chávezreferendo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.