Resultado final no México confirma vitória de Peña Nieto

O candidato da oposição mexicana Enrique Peña Nieto manteve sua liderança na contagem final da eleição presidencial de domingo, confirmando os resultados iniciais publicados na noite da votação.

Reuters

05 de julho de 2012 | 14h13

Com 92 por cento dos postos de votação contados até a manhã de quinta-feira, Peña Nieto tinha 38,4 por cento dos votos, sete pontos à frente do esquerdista Andrés Manuel López Obrador, garantindo o retorno ao poder do Partido Revolucionário Institucional (PRI).

O Instituto Eleitoral Federal do México (IFE) deverá concluir a contagem final de votos ainda nesta quinta-feira e certificar os resultados no domingo, quando deve ser entregue a contagem oficial dos resultados das eleições para o Congresso.

Os resultados preliminares mostraram Peña Nieto vitorioso no domingo com cerca de 38 por cento dos votos, em torno de 6,5 pontos de vantagem sobre López Obrador. Em terceiro lugar ficou Josefina Vazquez Mota, do conservador Partido da Ação Nacional (PAN).

A contagem final, que inclui uma série de recontagens em determinados postos de votação, amplamente confirmou os resultados relatados na noite de eleição.

Peña Nieto já foi felicitado em sua vitória pelo atual presidente mexicano, Felipe Calderón, e por líderes como a presidente Dilma Rousseff e o presidente dos EUA, Barack Obama.

López Obrador alegou que havia irregularidades generalizadas e exigiu uma recontagem total, mas o IFE afirmou que iria apenas recontar votos de 54 por cento dos postos com base em critérios mais específicos.

A lei estabelece que uma recontagem só pode ser solicitada em um posto de votação onde há uma diferença de menos de 1 ponto percentual entre os dois candidatos na liderança, ou por outras "inconsistências", que podem incluir cédulas difíceis de ler.

López Obrador denunciou o que chamou de compra de votos e coação por parte do PRI. O partido ganhou uma reputação por fraude eleitoral durante o seu regime de 71 anos, que terminou quando foi derrotado pelo PAN nas eleições de 2000.

López Obrador também contestou o resultado quando ele terminou muito mais perto em segundo lugar na eleição presidencial de 2006. Ele se recusou a admitir a derrota na época e convocou protestos que bloquearam a principal avenida da Cidade do México por semanas.

Peña Nieto disse que não havia espaço para fraude eleitoral no México.

"Eu condeno todos os tipos de práticas (irregulares) por todos os partidos políticos, que não devem existir", afirmou Peña Nieto em uma entrevista à Telemundo, na noite de quarta-feira. "Se há provas claras e confiáveis, então elas devem ser apresentadas às autoridades eleitorais."

(Reportagem de Daniel Trotta)

Mais conteúdo sobre:
MEXICOELEICAOFINAL*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.