Rice descarta que EUA tenham inimigos na América do Sul

Secretária de Estado americano ainda nega que Hugo Chávez seja uma ameaça aos Estados Unidos

Efe,

16 de março de 2008 | 20h08

A secretária de Estado americana, Condoleezza Rice, que realizou nesta semana uma visita ao Brasil, descartou que os EUA tenham inimigos na América do Sul e que o presidente venezuelano Hugo Chávez seja uma ameaça aos EUA.   Veja também: Chávez mediará encontro entre Uribe e Ortega   "Temos uma ampla política para a América Latina, na qual defendemos a justiça social e o crescimento econômico", afirmou a secretária, em entrevista a revista Época. "Defendemos a igualdade de raça e gênero, por isso os EUA não têm inimigos na América do Sul", acrescentou.   Sobre a pergunta se Chávez representa uma ameaça à região, Condoleezza respondeu que "algumas ações na Venezuela são questionáveis, mas não examinamos ideologias porque estamos preparados para nos relacionar com países de esquerda e direita."   A secretária destacou o papel "ativo" do Brasil na América do Sul e o trabalho conjunto na questão dos biocombustíveis, como um passo para que alguns países deixem a "dependência energética". Condoleezza descartou ainda uma revisão imediata de tarifas sob a importação do etanol brasileiro.   Colômbia   Sobre a Colômbia, a secretária descartou que a aliança com os EUA seja sinônimo de "falta de estabilidade" com a região, e destacou o "diálogo positivo" com o país.   Na recente crise entre Colômbia, Equador e Venezuela, Condoleezza expressou sua alegria pela "madura resolução" dos conflitos entre os líderes da região.   Nesse sentido, a secretária ressaltou o papel do presidente brasileiro Luiz Inácio Lula da Silva, e negou os EUA esteja interessado em converter a Amazônia num território internacional.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.