Televisión Nacional de Chile/AP
Televisión Nacional de Chile/AP

Risco de doenças é a maior ameaça aos 33 mineiros presos no Chile

Com previsão de resgate de até 4 meses, trabalhadores podem ter pneumonia, diarreia e trombose

Luiz Raatz, do estadão.com.br

28 de agosto de 2010 | 00h00

SÃO PAULO - O maior desafio dos 33 mineiros presos desde o dia 5 de agosto em uma mina de cobre e ouro no deserto do Atacama, no norte do Chile, é sobreviver a doenças infecciosas, cujo risco é potencializado pelas características do local em que os operários estão presos.  

 

Veja também:  

 

linkContato externo ameniza efeito psicológico

especialOs piores acidentes em minas

video Assista a trecho do vídeo dos mineiros 

linkCinco trabalhadores podem ter depressão

Com a previsão de resgate de até quatro meses, os 33 trabalhadores devem enfrentar pneumonia, diarreia, perda de peso e trombose como consequência do confinamento.

Segundo o clínico-geral Arnaldo Lichtenstein, do Hospital das Clínicas de São Paulo, o risco de doenças entre eles é altíssimo. A poeira inalada dentro da jazida pode gerar silicose, doença que alguns dos mineiros mais velhos já têm e que provoca dificuldade de respiração e movimentação.

Já os fungos e bactérias que habitam o interior quente e úmido da mina podem gerar casos de pneumonia. "Uma boa ideia seria mandar máscaras especiais para eles", afirma Lichtenstein.

A falta de fossas no abrigo, do tamanho de um apartamento pequeno, também pode facilitar a disseminação de diarreia. "O ideal seria que eles improvisassem uma fossa para não contaminar o ambiente", diz o médico.

O espaço reduzido também contribui para problemas vasculares. A falta de movimentação pode causar atrofia muscular e trombose. Ainda de acordo com o clínico-geral, a privação de uma dieta adequada deve levar a um emagrecimento acelerado e, sem a luz do sol, os operários devem perder a noção do dia e da noite. "Com certeza, muitos vão morrer", acredita Lichtenstein.

Condições na mina

Os 33 mineiros presos sobrevivem há 22 dias com uma dieta racionada de duas colheres de atum enlatado, um gole de leite e meio biscoito a cada 48 horas.

O único canal de comunicação com o exterior tem 15 centímetros de diâmetro. É por lá que as equipes de resgate começaram a enviar soro e rações de proteína e glicose, semelhantes às consumidas por astronautas. Dentro da mina, os mineiros contam com acesso a água e canais de ventilação.

O resgate será feito por uma perfuradora que abrirá caminho no solo. Andres Sougarret, chefe da operação, afirmou que o período para abrir um túnel largo o bastante para a passagem segura dos homens pode levar até quatro meses.

Tudo o que sabemos sobre:
mineirosChileHCArnaldo Lichtenstein

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.