Rompimento de relações é errôneo, diz Colômbia a Chávez

EUA criticam decisão venezuelana; OEA pede que os dois lados acalmem os ânimos

estadão.com.br

22 de julho de 2010 | 16h09

WASHINGTON - O embaixador colombiano na Organização dos Estados Americanos (OEA), Luis Hoyos, qualificou de errôneo o anúncio de rompimento de relações diplomáticas com seu país feito nesta quinta-feira, 22, pelo presidente venezuelano, Hugo Chávez.

Veja também:

blog Marcos Guterman: Uma crise no quintal do Brasil

linkPresidente eleito começa giro pela América Latina

lista Saiba o histórico de tensões entre os dois países

Mais cedo, Hoyos acusou a Venezuela de abrigar 1,5 mil guerrilheiros das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) em três acampamentos dentro de seu território. O embaixador venezuelano no órgão, Roy Chaderón, negou as acusações.

"Em nome do governo da Colômbia, lamento esta decisão errrada. A Venezuela não tem problemas com a Colômbia.", disse o embaixador. "Eles deveriam romper relações com grupos criminosos".

 

Reação dos EUA

 

O departamento de Estado americano também criticou a decisão de Chávez. "Acreditamos que é importante para ambos os países trabalhar para reduzir as suspeitas mútuas", disse o porta-voz Philip Crowley.

Segundo ele, o governo americano acredita que ambos países devem implementar plenamente seus compromissos sobre os tratados antiterroristas aplicáveis ao caso, bem como respeitar resoluções da ONU e OEA.

"Não acho que romper relações seja a melhor maneira de conseguir isto", acrescentou Crowley.

Postura da OEA

 

O secretário-geral da OEA, José Miguel Inzulza, por sua vez, pediu que os dois países 'acalmem os espíritos' e busquem um caminho para resolver suas diferenças.

Ainda de acordo com o líder do órgão interamericano, Venezuela e Colômbia têm objetivos comuns e já conseguiram superar diferenças no passado.

Com Efe e AP

Tudo o que sabemos sobre:
VenezuelaOEAColômbiaChávez

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.