Ruralistas e governistas preparam manifestações em Buenos Aires

O governo e os líderes ruralistasda Argentina pretendem levar milhares de manifestantes às ruasde Buenos Aires nesta terça-feira, em protestos diferentes aserem realizados antes de o Senado do país votar o aumento deimpostos de exportação responsável por provocar uma profundacrise política. O setor agropecuário espera que seu ato convença ossenadores das Províncias ruralistas a rejeitarem a proposta danova alíquota dos impostos, a qual, segundo garantem, tirará osprodutores de pequeno porte do mercado. O Senado, controlado pelo partido governista, começa avotar a medida na quarta-feira. "Trata-se, neste caso, de mostrar a vontade do povo a fimde que os representantes das Províncias votem e decidam segundoos interesses dos que os elegeram", afirmou Hugo Biolcati,vice-presidente da Sociedade Rural Argentina (SRA). A presidente do país, Cristina Fernández, viu seus índicesde popularidade despencarem ao longo da disputa iniciada quatromeses atrás, quando um novo sistema de impostos de exportaçãode grãos elevou as taxas referentes à soja, o produto que maisrende divisas estrangeiras à Argentina. O ex-presidente Néstor Kirchner, marido de Cristina, develiderar a manifestação pró-governo, na terça-feira à tarde. A proposta de lei sobre a elevação dos impostos foiaprovada por uma pequena margem de votos na Câmara dosDeputados e, segundo meios de comunicação argentinos, ossenadores mostravam-se divididos. Prevê-se uma nova votaçãoapertada. Cristina espera que a aprovação da medida pelo Senado seleo fim do conflito, que deixou nervosos os mercados financeirose levantou dúvidas sobre o desempenho da economia argentina,que há cinco anos registra bons índices de crescimento. No entanto, muitos duvidam que a disputa termine caso oCongresso fique ao lado do governo. (Reportagem adicional de Nicolas Misculin) REUTERS FE

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.