Saiba o histórico de tensões entre Colômbia e Venezuela

Países que antes faziam parte de uma mesma nação quase já entraram em guerra por duas vezes

Reuters,

16 de julho de 2010 | 18h38

A acusação colombiana contra a Venezuela de "contínua e permanente e tolerância" de rebeldes esquerdistas em território venezuelano prejudica as já desgastadas relações bilaterais.

 

Nesta sexta-feira, 16, a Venezuela negou veementemente as alegações da Colômbia e retirou seu embaixador de Bogotá. A seguir, estão alguns pontos sobre a geralmente espinhosa relação da Colômbia com seus vizinhos andinos:

 

* A Colômbia divide vastas fronteiras com cinco países. Venezuela e Colômbia dividem uma fronteira de 2.200 km, e uma história instável. Depois dos dois países terem deixado de ser colônia da Espanha no século XIX pelas mãos do libertador Simon Bolívar, eles passaram a ser o centro de uma nação que durou pouco, conhecida como Gran Colômbia, que também integrava o Equador e o Panamá.

 

* Os dois países andinos quase entraram em guerra em agosto de 1987, em uma disputa por uma fronteira marítima no Golfo do Caribe. Ambos os países colocaram suas tropas em alerta depois que a corveta colombiana Caldas se recusou a deixar as águas disputadas. A Venezuela enviou caças F-16 para a sua fronteira antes do confronto ser resolvido e o navio colombiano partir.

 

* O conflito de quatro décadas da guerrilha colombiana frequentemente recai sobre a fronteira venezuelana, onde sequestros e tráfico de drogas são comuns. A proximidade ideológica do presidente Hugo Chávez e dos rebeldes marxistas das Farc levou Washington e Bogotá a acusá-lo de apoiar as guerrilhas, o que Chávez nega.

 

* Nos primeiros dias de suas presidências, o ex-soldado Chávez e o presidente Álvaro Uribe chegaram a trocar abraços e brincadeiras, e mantiveram um gasoduto que cruza a fronteira, apesar de suas diferenças políticas.

 

* As relações, no entanto, tem piorado drasticamente nos últimos anos. Chávez frequentemente atinge a Colômbia com represálias diplomáticas. Ele já chamou Uribe de mentiroso e "mafioso" ligado a paramilitares de direita. O governo Uribe ameaçou levar Chávez à corte internacional, acusando-o de genocídio por apoiar rebeldes colombianos.

 

* As tensões aumentaram após a prisão em Caracas de um líder guerrilheiro em uma operação liderada pela polícia colombiana em 2005. Os dois países quase entraram em guerra em março de 2008, depois de uma incursão colombiana em um acampamento das Farc no Equador, que desencadeou movimentos das tropas de Quito e Caracas. Chávez cortou os laços diplomáticos com Bogotá e ameaçou congelar o comércio entre os países.

 

* Chávez cumpriu sua ameaça no ano passado, depois de um acordo firmado entre Washington e Bogotá que autoriza os Estados Unidos a usar sete bases colombianas, como parte de um pacto multibilionário dos EUA para lutar contra guerrilhas e conter o narcotráfico. O comércio bilateral, que era de US$ 7 bilhões de 2008, foi reduzido em 70%, prejudicando as duas economias.

 

* Equador e Colômbia fizeram algumas tentativas de reparar suas relações, mas a Justiça equatoriana emitiu uma ordem de prisão contra Juan Manuel Santos, que será o próximo presidente colombiano a partir de 7 de agosto. Santos, que era ministro de Defesa na época da ofensiva em território equatoriano, pode ser preso se visitar o Equador. Algumas relações diplomáticas foram retomadas, mas nenhum dos países tem uma embaixada.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.