Santos acusa Chávez de interferir nas eleições da Colômbia

Presidente da Venezuela chamou candidato à presidência de 'ameaça' para latino-americanos

estadão.com.br

20 de abril de 2010 | 16h35

BOGOTÁ - O candidato à presidência da Colômbia, o ex-ministro Juan Manuel Santos, acusou nesta terça-feira, 20, o presidente da Venezuela, Hugo Chávez, de interferir nas eleições do próximo dia 30 de maio. Mais cedo, o venezuelano classificou Santos como uma ameaça à Venezuela, ao Equador e à Nicarágua, segundo informações da agência AFP.

 

Veja também:

linkCandidato colombiano é ameaça, diz Chávez

 

"Creio que o povo colombiano não deve gostar do presidente venezuelano Hugo Chávez interferindo nas eleições", disse Santos em declarações à Rádio Viva da cidade de Pasto, no departamento de Nariño, no sul do país.

 

Na segunda-feira, Chávez disse que Santos seria uma "ameaça para todos, sobretudo para a Venezuela, para o Equador e a Nicarágua". As declarações do venezuelano foram feitas durante uma cúpula da Aliança Bolivariana para os Povos da América (ALBA) realizada em Caracas.

 

Durante o debate presidencial de domingo à noite, Santos disse estar "orgulhoso" de ter ordenado o bombardeio contra um acampamento das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) em território equatoriano em março de 2008. O candidato, porém, se negou a dizer se poderia ordenar um ataque semelhante na Venezuela.

 

"Outros candidatos disseram que bombardeariam países vizinhos se houvesse acampamentos terroristas, portanto se ele se dirige só a mim, está querendo interferir nas eleições", disse Santos.

 

Santos é ex-ministro da Defesa e o candidato da situação para a presidência na Colômbia. Ele aparece como favorito para as eleições de maio, seguido pelo independente Antanas Mockus, do Partido Verde, e da ex-chanceler Noemi Sanín, do Partido Conservador.

 

Caracas congelou desde julho de 2009 as relações com Bogotá em protesto contra um acordo da Colômbia com os EUA que permite o uso de bases militares colombianas por parte dos americanos nas operações contra o narcotráfico.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.