Santos consegue apoio de mais um partido governista para 2º turno na Colômbia

'Mudança Radical' teve 10% de votos no primeiro turno; candidato do Partido Verde rejeitou alianças

Associated Press,

08 de junho de 2010 | 19h35

BOGOTÁ- O ex-ministro de Defesa Juan Manuel Santos, favorito para ganhar a presidência no segundo turno das eleições colombianas em 20 de junho, pode conseguir novos votos com o anúncio de um partido de que irá apoiar sua candidatura.

 

O partido governista Mudança Radical anunciou nesta terça-feira, 8, em um breve comunicado, "apoiar a candidatura do doutor Juan Manuel Santos para o segundo turno eleitoral". Nem Santos nem Javier Cáceres, chefe da Mudança Radical, explicaram de imediato os detalhes do apoio.

 

Santos, um economista de 58 anos, conseguiu na semana passada o respaldo do também governista Partido Conservador e de alguns congressistas do opositor Partido Liberal.

 

Todas essas siglas tiveram um candidato à presidência, mas só dois foram para o segundo turno: Santos e o ex-prefeito de Bogotá, Antanas Mockus, do Partido Verde.

 

Santos, do Partido Social da Unidade Nacional, ou Partido da "U", do atual presidente Álvaro Uribe, conseguiu uma vantagem de mais de 20 pontos percentuais no primeiro turno, celebrado em 30 de maio.

 

Contudo, os 6,7 milhões de votos ou 46,5% do total obtido por Santos foi insuficiente ante os 3,1 milhões de sufrágios, ou 21,4%, de Mockus. Segundo a lei colombiana, o vencedor tem de conseguir mais de 50% da preferência dos eleitores.

 

Espera-se que o partido Mudança Radical possa endossar a Santos parte dos 1,4 milhões de votos, ou 10,1% do total, que seu candidato ao primeiro turno, Germán Vargas, conseguiu.

 

Devido a rivalidades internas, os movimentos ou partidos da coalizão que apoiam Uribe não conseguiram uma candidatura única para o primeiro turno. O atual presidente conclui seu mandato em 7 de agosto.

 

O Partido Verde rechaçou qualquer aliança e na sexta passada recusou o apoio do esquerdista Polo Democrático Alternativo, alegando diferenças irreparáveis em seus programas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.