Sarkozy aceita ajuda de Chávez para libertar Betancourt

Presidentes francês e venezuelano concordam em 'manter contato mais próximo' para negociar com Farc

Agências internacionais,

30 de agosto de 2007 | 12h17

O presidente da França, Nicholas Sarkozy, ligou para o presidente da Venezuela, Hugo Chávez, a fim de dar apoio à oferta deste último de servir como intermediário nos esforços para libertar os reféns mantidos por guerrilheiros na Colômbia, entre os quais uma política franco-colombiana.Chávez vai à Colômbia negociar libertação de reféns das Farc Chávez ofereceu sua atuação como intermediário entre as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) e o governo do presidente Alvaro Uribe. Na sexta-feira, o presidente venezuelano visitará a Colômbia com o objetivo de conversar sobre formas de facilitar a troca de rebeldes mantidos em prisões colombianas por reféns seqüestrados pelos insurgentes.   As Farc mantém centenas de policiais, soldados e políticos como reféns há anos. Entre esses está a política franco-colombiana Ingrid Betancourt, capturada em 2002, e três norte-americanos sequestrados um ano depois, durante uma operação de combate ao narcotráfico.   "Ontem, o presidente tomou a iniciativa de ligar para seu colega venezuelano, o presidente Hugo Chávez", afirmou em uma entrevista coletiva David Martinon, porta-voz de Sarkozy. O presidente francês fez da libertação de Betancourt uma das prioridades de seu governo. "O presidente prometeu ao presidente Chávez seu total apoio e manifestou seu interesse na iniciativa proposta pela venezuelano, além de sua vontade de acompanhar os esforços dele, tudo em consonância com o presidente colombiano, Alvaro Uribe", acrescentou. Ainda nesta quinta, Sarkozy deverá conversar por telefone com Alvaro Uribe.

Tudo o que sabemos sobre:
FarcSarkozyChávezBetancourtColômbia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.