Carlos Barria/Reuters
Carlos Barria/Reuters

Sarkozy faz primeira visita de um presidente francês ao Haiti

Presidente pretende mudar relações com ex-colônia, que conquistou independência após revolta de escravos

REUTERS

17 de fevereiro de 2010 | 12h06

O presidente da França, Nicolas Sarkozy, chegou nesta quarta-feira ao Haiti, país devastado por um terremoto em janeiro, para apoiar os esforços internacionais de ajuda ao país. É a primeira visita de um chefe de Estado francês à ex-colônia no Caribe.

Além de visitar um hospital de campo francês na capital Porto Príncipe, Sarkozy pretende, com sua visita, virar a página na longa história de relações difíceis entre a França e o Haiti, que conquistou sua independência em 1804, após uma revolta sangrenta dos escravos negros contra seus senhores brancos.

O presidente francês deve reunir-se com líderes do Haiti para oferecer o apoio financeiro da França a um plano de recuperação e reconstrução pós-terremoto que está sendo traçado por doadores estrangeiros e o governo haitiano.

Durante sua visita, Sarkozy deve sobrevoar de helicóptero as áreas de Porto Príncipe mais afetadas pelo terremoto de 12 de janeiro, que matou mais de 200 mil pessoas e deixou mais de 1 milhão sem casa, acampadas nas ruas da cidade.

Além de oferecer ajuda emergencial imediata aos feridos e desabrigados pelo sismo, os doadores internacionais querem apoiar a recuperação de longo prazo do Haiti, na tentativa de arrancar o país mais pobre do hemisfério ocidental de um ciclo de miséria e instabilidade política.

A França já se comprometeu a ajudar com 20 milhões de euros (US$ 27 milhões) e vai participar de uma conferência de alto nível de doadores internacionais ao Haiti a ser realizada em Nova York em março.

Economistas do Banco Interamericano de Desenvolvimento estimam que o custo de reconstruir o Haiti após o terremoto possa chegar a quase US$ 14 bilhões, o que faz do terremoto de janeiro, em termos proporcionais, a catástrofe natural mais destrutiva dos tempos modernos.

O presidente haitiano, René Préval, que na segunda-feira recebeu o primeiro-ministro canadense, Stephen Harper, disse que seu governo está discutindo a criação de um fundo comum para a recuperação do Haiti, a ser administrado em conjunto com os doadores.

O presidente da República Dominicana, Leonel Fernandez, estimou que o fundo pode chegar ao total de US$ 10 bilhões ao longo de cinco anos. Outros líderes dizem que será preciso uma década para reconstruir o Haiti.

(Reportagem de Pascal Fletcher)

Tudo o que sabemos sobre:
HAITISARKOZYVISITA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.