Sarkozy pode negociar com as Farc na Colômbia

Presidente francês está disposto a dialogar com guerrilha por reféns, incluindo Angela Betancourt

Efe,

16 de setembro de 2007 | 12h22

O presidente francês, Nicolas Sarkozy, estaria disposto a ir à Colômbia se sua participação fosse necessária para a libertação dos reféns da guerrilha das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc), segundo disse neste domingo, 16, o porta-voz presidencial.   "Se fosse necessário, acho que não duvidaria, se for útil e se for no bom momento", disse o porta-voz David Martinon à Rádio J, sobre uma possível viagem de Sarkozy à Colômbia.   O presidente da Venezuela, Hugo Chávez, que iniciou uma mediação para tentar conseguir a libertação dos reféns seqüestrados pelas Farc, disse no sábado que Sarkozy tinha mostrado sua predisposição a ir à Colômbia se fosse necessário.   Martinon, que confirmou que Sarkozy e Chávez falaram "em várias ocasiões", não revelou se no encontro mantido no sábado o presidente francês se expressou nesses termos. "Não presenciei essa conversa telefônica", disse o porta-voz, afirmando que Sarkozy agradeceu a Chávez por sua iniciativa de mediação.   A França, junto com a Espanha e a Suíça, é um dos países europeus que intermediou para tentar conseguir o acordo humanitário que permita a libertação dos reféns seqüestrados pelas Farc.   Entre os seqüestrados pela guerrilha está a ex-candidata presidencial Ingrid Betancourt, que tem nacionalidade francesa e cujos filhos vivem em Paris.

Tudo o que sabemos sobre:
FarcColômbia, Sarkozy

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.